Bolsa Wall Street anima à espera de minutas da Fed

Wall Street anima à espera de minutas da Fed

Depois de uma sessão em que encerraram sem rumo definido, as principais praças dos EUA abriram em alta com os investidores na expectativa pela divulgação, esta tarde, das minutas relativas ao mais recente encontro da Reserva Federal.
Wall Street anima à espera de minutas da Fed
Reuters
David Santiago 16 de agosto de 2017 às 14:33

O índice Dow Jones abriu a sessão desta quarta-feira, 16 de Agosto, a ganhar 0,20% para 22.043,57 pontos, seguido pelo Nasdaq Composite a somar 0,24% para 6.348,254 pontos, e pelo Standard & Poor’s 500 a crescer 0,19% para 2.469,22 pontos.

 

O optimismo registado neste início de sessão bolsista contrasta com o fecho de ontem em que as principais praças de Wall Street terminaram o dia a negociar sem tendência definida.

 

Os investidores aguardam com expectativa a revelação, na tarde de hoje, das minutas referentes ao último encontro da Reserva Federal dos Estados Unidos, ocasião em que o banco central americano decidiu manter inalteradas as taxas de juro mas em que anunciou que, num período "relativamente breve" irá iniciar a normalização do seu balanço.

 

Nas minutas que serão hoje divulgadas os investidores esperam encontrar pistas relativamente a decisões futuras da instituição liderada por Janet Yellen sobre novos aumentos dos juros.

 

Havendo nesta altura uma convicção de que os indicadores económicos positivos – ainda ontem foram conhecidos dados animadores no sector do comércio – permitirá à Fed decretar uma nova subida dos juros ainda neste ano, provavelmente em Dezembro. Ainda esta terça-feira, o presidente da Fed de Nova Iorque, William Dudley, sustentou que os dados positivos em relação às vendas a retalho devem implicar novos aumentos dos juros.

 

No entanto, a persistente inflação abaixo dos 2% definidos como objectivo pela Reserva Federal poderá levar a Fed a adiar tal decisão.

 

Já a acalmar os ânimos em Wall Street está o desanuviar da tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, isto depois de o líder norte-coreano, Kim Jung-un, ter deixado cair, pelo menos para já, a ameaça de ataque à ilha norte-americana de Guam, situada no Pacífico.

Esta quarta-feira está ainda na agenda a divulgação, pelo Departamento do Comércio dos Estados Unidos, dos números mais recentes sobre o início de construção de novas habitações.

Nota positiva para a Urban Outfitters que dispara 23,22% para 20,72 dólares depois de a cotada ter apresentado lucros e vendas trimestrais que superaram as estimativas dos analistas, o que contribuiu para que casas de investimento tenham elevado o preço-alvo atribuído às acções da empresa.

 

Também a Target está em alta ao apreciar 2,84% para 55,84 dólares o que acontece depois de ter reportado um aumento de 1,3% das vendas comparáveis no segundo trimestre, isto depois da quebra nas vendas registada ao longo do último ano.

 

Em destaque pela negativa está a Amazon que recua 0,60% para 976,89 dólares depois de esta manhã o presidente americano, Donald Trump, ter voltado a apontar baterias contra a tecnológica fundada por Jeff Bezos, acusando a cotada de ser responsável pela destruição de muitos postos de trabalho ao não pagar os impostos devidos. 


(Notícia actualizada às 14:40)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub