Bolsa Wall Street cede ganhos em dia de dados robustos do emprego

Wall Street cede ganhos em dia de dados robustos do emprego

As bolsas norte-americanas abriram em baixa esta sexta-feira, depois de ter sido reportado um aumento do emprego em Janeiro nos EUA e uma nova subida dos salários, intensificando a especulação de que a inflação irá aumentar.
Wall Street cede ganhos em dia de dados robustos do emprego
Reuters
Carla Pedro 02 de fevereiro de 2018 às 14:38

O Dow Jones segue a ceder 0,76%, para se fixar nos 25.986,70 pontos e o Standard & Poor’s 500 recua 0,65% para 2.803,67 pontos.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite resvala 0,38%, para 7.357,54 pontos.

 

A pressionar a negociação em Wall Street estão os dados do mercado de trabalho nos EUA em Janeiro, que revelaram um aumento robusto dos postos de trabalho [maior criação de empregos desde 2009], bem como a continuação do movimento de subida dos salários.

 

Estes dados reforçaram a convicção de que a inflação irá subir, tal como foi avançado esta semana pela Reserva Federal, o que abre caminho a uma nova subida dos juros directores já na reunião de Março do banco central.

 

"O aumento das taxas de juro não significa necessariamente um travão às subidas dos preços das acções, mas traz um certo grau de moderação ao entusiasmo", comentou à Reuters um estratega do Global Markets Advisors Group, Peter Kenny.

 

Esta perspectiva de aumento da inflação tem estado a levar a uma subida dos juros das obrigações norte-americanas, movimento que penaliza as acções.

 

A penalizar a negociação esta sexta-feira estão cotadas como a Alphabet (casa-mãe da Google), que ontem reportou resultados que desanimaram os investidores. A gigante tecnológica, que detém a Google e Youtube, registou no quarto trimestre de 2017 lucros abaixo do esperado pelos analistas e segue agora a perder 4,77% para 1.125,18 dólares.

 

A contribuir para este desempenho inferior ao esperado estiveram vários factores, como um aumento dos pagamentos aos parceiros de buscas na web, maiores despesas de marketing e problemas no YouTube que pesaram no negócio publicitário durante a época natalícia, informou a empresa liderada por Larry Page.

 

A tecnológica referiu ainda que a provisão para impostos relacionada com a nova reforma fiscal da Administração Trump, aprovada em Dezembro, também pesou nos lucros. Este aprovisionamento, no valor de 9,9 mil milhões de dólares [a título dos impostos que a empresa terá de pagar para repatriar capitais que tem fora dos EUA], resultou num prejuízo de 3,02 mil milhões de dólares (ou 4,35 dólares por acção) para a Alphabet entre Outubro e Dezembro.

 

Excluindo este custo extra, a empresa registou lucros de 9,70 dólares por acção – ficando abaixo da projecção média dos analistas inquiridos pela Bloomberg, que apontavam para 10,04 dólares.

 

Outra cotada que está a ajudar ao desempenho negativo em Wall Street é a Exxon Mobil, que falhou as expectativas para os lucros e segue a cair 4,30% para 85,24 dólares. A petrolífera reportou esta sexta-feira lucros inferiores ao esperado no quarto trimestre, devido a uma queda da produção de crude e à debilidade das suas operações química e de refinação.