Bolsa Wall Street cede terreno em sessão morna

Wall Street cede terreno em sessão morna

As bolsas norte-americanas estiveram a negociar entre subidas e descidas ligeiras ao longo desta última sessão da semana, tendo acabado por encerrar com perdas muito marginais. Os investidores estiveram menos activos em vésperas de Natal e ainda a digerir a aprovação da reforma fiscal e o novo financiamento de curto prazo dos serviços federais.
Wall Street cede terreno em sessão morna
Carla Pedro 22 de dezembro de 2017 às 21:08

O Dow Jones fechou a recuar 0,11% para 24.754,06 pontos e o Standard & Poor’s 500 perdeu 0,05% para 2.683,34 pontos.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite registou uma desvalorização de 0,08% para 6.953,26 pontos.

 

A sessão esteve "flat", numa altura em que se aproxima o Natal e em que os investidores estiveram a digerir uma semana cheia de acontecimentos, em especial no Congresso norte-americano.

 

Depois de aprovada no Congresso a reforma fiscal no valor de 1,5 biliões de dólares que prevê grandes cortes de impostos, ontem foi dada "luz verde" a um financiamento provisório dos serviços federais – caso contrário, as agências governamentais paralisariam a partir de amanhã por falta de dinheiro.

 

Hoje, o presidente Donald Trump promulgou ambos os projectos de lei, que são assim transpostos para a legislação norte-americana.

 

Do lado das perdas, destaque para a Nike, que cedeu 2,29% para 63,29 dólares depois de ter projectado um crescimento ténue das receitas no actual trimestre devido às dificuldades em recuperar quota de mercado na América do Norte.

 

Também a Celgene perdeu terreno, a cair 1,44% para 106,33 dólares, depois de um tratamento para o linfoma folicular ter

 

A UnitedHealth, por sua vez, depreciou-se em 0,76% para 220 dólares, após a seguradora da área da saúde ter acordado a compra da empresa chilena de cuidados de saúde Bamedica por 2,8 mil milhões de dólares.

 

Pela positiva sobressaiu a Ignyta – especializada em medicamentos para o cancro –, tendo fechado a disparar 72,67% para 26,85 dólares, animada pelo anúncio da farmacêutica suíça Roche de que a irá comprar por 1,7 mil milhões de dólares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub