Bolsa Wall Street com melhor mês desde Fevereiro

Wall Street com melhor mês desde Fevereiro

Na última sessão de Julho, o Dow Jones marcou um novo máximo histórico e elevou o avanço mensal para 2,54%, o melhor desempenho em cinco meses.
Wall Street com melhor mês desde Fevereiro
Reuters
Nuno Carregueiro 31 de julho de 2017 às 21:31

As bolsas norte-americanas fecharam o último dia do mês de Julho em alta, com os três principais índices a concluírem o quarto mês consecutivo de ganhos, naquela que foi a melhor prestação desde Fevereiro.

 

O Dow Jones valorizou 0,28% para 21.891,4 pontos, tendo ao longo da sessão atingido um novo máximo histórico. No acumulado de Julho o índice valorizou 2,54%, obtendo o melhor desempenho desde a subida de quase 5% conseguida em Fevereiro.

 

O S&P 500 fechou a subir 0,1% e também ganhou terreno pelo quarto mês seguido. O Nasdaq conseguiu o mesmo feito apesar de hoje ter desvalorizado 0,42% para 6.348,12 pontos.

 

A Boeing foi a cotada que mais impulsionou o Dow Jones, com uma valorização de 0,53%, depois do JPMorgan ter elevado a avaliação as acções da fabricante de aviões. As cotadas do sector energético também contribuíram, depois do petróleo ter invertido para ganhos, com o WTI em Nova Iorque a negociar mesmo acima dos 50 dólares pela primeira vez desde Maio. A Chevron avançou 1,14% e a Exxon ganhou 0,65%.

      

A penalizar o Nasdaq estiveram vários pesos-pesados do sector tecnológico, com a Apple a cair 0,5% antes de apresentar os resultados trimestrais, na sessão de amanhã após do fecho.

 

O Twitter cedeu 4,06%,a Amazon.com caiu 3,18% e o Facebook desvalorizou 1,76%. No sector a sessão fica também marcada pelo novo mínimo histórico da Snap, que chegou a cair mais de 5% para 13,10 dólares (23% abaixo do preço do IPO), devido ao fim do bloqueio que impedia vários investidores de venderem acções em bolsa.

 

A Discovery Communications liderou as quedas no Nasdaq, com uma queda de 9,25%, depois de ter anunciado a compra da Scripps Networks Interactive, um negócio de 14,6 mil milhões de dólares (12,4 mil milhões de euros). 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 01.08.2017

Há um processo de substituição acelerada de factor trabalho por factor capital. Esse processo em curso é agora imparável. Atingiu um ponto de não retorno. O único retorno previsível é o Retorno Sobre o Investimento, em inglês conhecido como ROI. Viva o ROI! Longa vida ao ROI!

comentários mais recentes
Anónimo 01.08.2017

Há um processo de substituição acelerada de factor trabalho por factor capital. Esse processo em curso é agora imparável. Atingiu um ponto de não retorno. O único retorno previsível é o Retorno Sobre o Investimento, em inglês conhecido como ROI. Viva o ROI! Longa vida ao ROI!

pub
pub
pub
pub