Bolsa Wall Street começa semana no vermelho ainda com incerteza fiscal

Wall Street começa semana no vermelho ainda com incerteza fiscal

As principais praças dos Estados Unidos iniciaram a sessão em terreno negativo com os investidores ainda apreensivos em relação à incerteza em torno do plano fiscal em debate no Congresso.
Wall Street começa semana no vermelho ainda com incerteza fiscal
Reuters
David Santiago 13 de novembro de 2017 às 14:37

O índice Dow Jones abriu a sessão desta segunda-feira a recuar 0,26% para 23.362,34 pontos, seguido pelo Nasdaq Composite a resvalar 0,31% para 6.730,254 pontos, e pelo Standard & Poor’s 500 a deslizar 0,25% para 2.575,84 pontos.

 

Depois de na sexta-feira passada terem fechado no vermelho, com excepção para o S&P 500 que inverteu perto do fecho da sessão bolsista terminando o dia em alta ligeira, Wall Street mantém-se assim em terreno negativo numa altura em que continua grande a incerteza acerca do plano económico assente em cortes fiscais prometido pela administração liderada por Donald Trump.

 

A semana passada terminou com o Dow Jones e o S&P500 a registaram um saldo semanal negativo, o que aconteceu pela primeira vez em nove semanas.

 

A proposta apresentada pelos senadores republicanos adia para 2019 o corte de impostos através do qual Trump pretende reduzir o IRC dos actuais 35% para 20%. Este plano apresentado no Senado contraria a proposta do Partido Republicano feita na Câmara dos Representantes, que tal como Trump pretendiam que a redução da carga fiscal entrasse em vigor já em 2018. 

A General Electric é uma das cotadas que mais está a pressionar neste início de sessão, com a eléctrica a perder 3,37% para 19,80 dólares depois de o conglomerado ter anunciado que vai cortar para metade o dividendo trimestral por forma a garantir uma poupança de cerca de 4 mil milhões dólares por ano.

 

Em forte alta está a fabricante de brinquedos Mattel que dispara 19,56% para 17,48 dólares depois de notícias que dão conta da intenção da rival Hasbro comprar a empresa.

 

No vermelho está a Broadcom, que cai 0,91% para 262,55 dólares, enquanto a Qualcomm está no verde ao somar 0,40% para 64,83 dólares. Esta manhã a fabricante de dispositivos móveis Qualcomm rejeitou a oferta de compra apresentada pela rival Broadcom, avaliada em 103 mil milhões de dólares.


(Notícia actualizada às 14:46)




pub