Bolsa Wall Street em alta ligeira com possível fusão da Marvell e da Cavium

Wall Street em alta ligeira com possível fusão da Marvell e da Cavium

As principais praças dos Estados Unidos começaram a semana a negociar em terreno positivo apoiadas pela possibilidade de fusão entre a Marvell e a Cavium.
Wall Street em alta ligeira com possível fusão da Marvell e da Cavium
Reuters
David Santiago 20 de novembro de 2017 às 14:36

Depois de fechar a última semana em terreno negativo, Wall Street abriu a sessão desta segunda-feira, 20 de Novembro, a negociar em alta ligeira. O índice Dow Jones sobe 0,06% para 23.371,15 pontos, acompanhado pelo Nasdaq Composite a ganhar 0,08% para 6.788,49 pontos, e pelo Standard & Poor’s 500 a crescer 0,06% para 2.580,29 pontos.

 

A impulsionar os principais índices americanos está a disponibilidade demonstrada pela Marvell para comprar a rival Cavium por cerca de 6 mil milhões de dólares. As acções da Marvell avançam 1,53% para 20,60 dólares e as da Cavium disparam 7,94% para 81,85 dólares.

 

Também a apoiar os ganhos registados em Wall Street na abertura semanal da negociação bolsista está a revisão em alta das recomendações atribuídas a algumas das maiores cotadas americanas. Tendo já valorizado cerca de 25% desde o início do ano e em torno de 7% no mês anterior, a General Motors viu a Guggenheim elevar a recomendação atribuída à fabricante de automóveis para "comprar". Os títulos da GM sobem 1,12% para 44,37 dólares

 
Também a Verizon soma 0,81% para 45,78 dólares, depois de o banco Wells Fargo ter aumentado a recomendação sobre aquelas acções para "outperform". 

Os investidores continuam atentos e apreensivos relativamente à reforma fiscal ainda em análise no Congresso. Na semana passada, a Câmara dos Representantes aprovou a sua versão e que contempla cortes fiscais já a partir do próximo ano, contudo o Senado só deverá aprovar a sua própria proposta depois do dia de Acção de Graças, que se festeja na próxima quinta-feira.

A intenção dos senadores republicanos é que o corte da taxa de IRC de 35% para 20% entre em vigor apenas em 2019 e não no próximo ano como pretendido pela administração liderada por Donald Trump e pelos republicanos da câmara baixa. 


(Notícia actualizada às 14:40)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub