Bolsa Wall Street estável com Dow Jones ainda à beira dos 20 mil pontos

Wall Street estável com Dow Jones ainda à beira dos 20 mil pontos

Depois de o Dow Jones e o Nasdaq terem registado novos máximos de sempre na última sessão, Wall Street começou o dia a transaccionar quase inalterada. O Dow Jones inicia o dia uma vez mais no limiar de atingir pela primeira vez os 20 mil pontos.
Wall Street estável com Dow Jones ainda à beira dos 20 mil pontos
Reuters
David Santiago 21 de Dezembro de 2016 às 14:34

O índice industrial Dow Jones abriu a sessão desta quarta-feira, 21 de Dezembro, a ceder 0,04% para 19.967,53 pontos, após na véspera ter alcançado um novo máximo histórico e um novo recorde de fecho. Depois de já ter atingido 17 novos recordes desde a vitória de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas, o Dow Jones continua muito próximo de ultrapassar pela primeira vez a barreira psicológica dos 20 mil pontos.

 

Já o Nasdaq Composite começou o dia a cair ténues 0,09% para 5.479,27 pontos, depois deste índice tecnológico ter também registado um novo recorde de sempre na sessão de ontem, enquanto o Standard & Poor’s 500 iniciou a sessão a deslizar 0,08% para 2.268,88 pontos.

 

Wall Street continua a beneficiar do optimismo em torno do plano económico do presidente eleito dos Estados Unidos, que promete reforçar o investimento público e apostar em força na construção e reabilitação de infra-estruturas.

 

No entanto este início de sessão está a ser marcado por uma maior quietude nas principais praças norte-americanas. "O mercado tem vindo a reanimar desde a eleição e estas pequenas pausas são bem-vindas e necessárias para que os operadores garantam alguns lucros", explica Andre Bakhos, director da Janlyn Capital citado pela agência Reuters.

Esta quarta-feira os investidores norte-americanos estarão particularmente atentos à divulgação de novos dados sobre a venda de casas já existentes, que, segundo refere a Reuters, terá caído 1% em Novembro para uma taxa anual de 5,5 milhões.

 

Já o petróleo mantém a tendência de valorização verificadas nas últimas semanas. O que também se deve à confirmação, por parte do Instituto de Petróleo América, de que as reservas petrolíferas norte-americanas caíram em 4,15 milhões de barris na semana passada, valor que compara com a queda de apenas 2,5 milhões de barris antecipada pela Administração de Informação de Energia (AIE).

 

Em Nova Iorque o West Texas Intermediate (WTI) está a subir 0,32% para 53,47 dólares por barril.

O destaque pela negativa neste início de sessão vai para a FedEx, que perde 1,83% para 195,11 dólares depois de os resultados da empresa terem falhado as previsões dos analistas. E também para a Accenture que abriu a sessão a perder 4,21% para 118,87 dólares após a cotada ter anunciado uma previsão de receitas anual que ficou aquém das projecções.

 

Já a nota positiva cabe à Nike que começou o dia a somar 2,29% para 52,9779 dólares depois de a marca desportiva ter apresentado receitas e lucros trimestrais que superaram as estimativas dos analistas. 

(Notícia actualizada às 14:53)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores do privado.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


CORTAR JÁ, NAS PENSÕES ATUAIS DOS LADRÕES FP / CGA

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores do privado.

pub