Mercados Wall Street fecha em mínimos de 22 meses. Investidores procuram refúgio no ouro e nas obrigações

Wall Street fecha em mínimos de 22 meses. Investidores procuram refúgio no ouro e nas obrigações

Os mercados norte-americanos abrandaram parte das quedas registadas durante a sessão mas, ainda assim, encerraram em mínimos de 22 meses. Os investidores procuraram refúgio na dívida norte-americana e alemã e no ouro, que esta segunda-feira superou a fasquia dos 1.200 dólares.
Wall Street fecha em mínimos de 22 meses. Investidores procuram refúgio no ouro e nas obrigações
Bloomberg
Ana Luísa Marques 08 de fevereiro de 2016 às 21:16
Os mercados norte-americanos chegaram a perder mais de 2% e 3% durante a sessão. O dia terminou com perdas em torno de 1% que, ainda assim, não evitaram um novo mínimo de 22 meses.

O índice tecnológico Nasdaq registou a maior queda, ao desvalorizar 1,82%, penalizado por cotadas como o Facebook, o Ebay ou o Twitter, que esta segunda-feira negociou pela primeira vez abaixo dos 15 dólares por acção. A rede social fechou o dia a cair 5,22% para 17,90 dólares por acção.

O Twitter vive assim a segunda sessão consecutiva de fortes quedas (na sexta-feira perdeu mais de 7%) devido ao abrandamento do ritmo de entrada de novos utilizadores e após a saída, nas últimas semanas, de vários quadros superiores da empresa. A tecnológica apresenta resultados na próxima quarta-feira, dia 10, após o fecho da sessão.

O índice industrial Dow Jones fechou a perder 1,10% para 16.027,05 pontos, num dia de fortes quedas no sector bancário. O Goldman Schas perdeu 4,63%, o JP Morgan recuou 2,10% e o Bank of America desvalorizou 5,25%. O índice S&P500 encerrou a perder 1,41% para 1.853,46 pontos.

Os mercados norte-americanos seguiram assim a tendência vivida esta segunda-feira no Velho Continente, onde as praças perderam entre 2,80% (Lisboa) e 10,21% (Atenas).

Estas quedas reflectem os receios dos investidores em relação ao desempenho da economia mundial, num momento em que aumentam os riscos de recessão e de deflação, alerta François Savary, analista da Prime Partners, citado pela Bloomberg.

 

A agência noticiosa recorda que, na semana passada, as bolsas também tiveram um desempenho negativo explicado, em grande parte, pela evolução dos preços do petróleo, pelos resultados das empresas e pelas preocupações em torno da economia chinesa e norte-americana.

Ouro e obrigações em alta

Os receios dos investidores em relação à saúde da economia mundial beneficiou activos refúgio como o ouro e as obrigações norte-americanas e alemãs. O ouro superou a barreira dos 1.200 dólares pela primeira vez em sete meses, enquanto a taxa de juro da dívida norte-americana a 10 anos caiu para mínimos de um ano. Já a taxa de referência da dívida alemã negociou no nível mais baixo desde Abril.

Laith Khalaf, analista da Hargreaves Lansdown, explicou esta tarde ao The Guardian o que está a acontecer nos mercados accionistas mundiais: "Os mercados estão, claramente, preocupados com o abrandamento da economia global numa altura em que os bancos centrais têm poucas formas de combater as forças recessivas".

Laith Khalaf acrescenta que o "colapso do preço do petróleo tem sido um grande choque para o sistema financeiro e os seus efeitos ainda estão a ser absorvidos pelos mercados accionistas internacionais".

O mesmo analista sublinha que a banca tem sido fortemente penalizado e alerta para o facto de muitas cotadas do sector estarem a negociar em níveis inferiores ao da crise financeira de 2008.  

(Notícia actualizada às 21:49) 



A sua opinião88
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Porcos,feios e maus Há 2 semanas

Ó Marco Pata.
Até podes ter razão no teu comentário,mas encher o J.Neg com o mesmo post,vezes sem fim,só tem como consequencia deixar de haver quem comente outros pareceres.
Será de propósito ? Para boicotar ideias diferentes?
O mundo ultra-liberal e NAZI está a espernear. O Fim está próximo.

Pois e Há 2 semanas

Marco Pata...se nao fosse os americanos...estavas a ler o jornal do avante em russo depois de trabalhares numa fabrica "do povo" porque computadores seriam proibidos pelo comite central...merecias essa vida seu animal mal agradecido.

Pois e Há 2 semanas

Marco Pata...se nao fosse os americanos...estavas a ler o jornal do avante em russo depois de trabalhares numa fabrica "do povo" porque computadores seriam proibidos pelo comite central...merecias essa vida seu animal mal agradecido.

Marco Pata Há 2 semanas

Já acabou a palhaçada dos robots inventados pelas tecnológicas? Agora com as tecnológicas a falir em cadeia é que vai ser uma maravilha, Quem semeia ventos colhe tempestades. Os americanos haviam de estoirar em grande. Porcos, animais fdp.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub