Bolsa Wall Street no vermelho após discurso de May e queda do dólar

Wall Street no vermelho após discurso de May e queda do dólar

As principais praças norte-americanas iniciaram o dia a transaccionar em terreno negativo, pressionadas pela opção do Reino Unido por um "hard Brexit". Declarações de Trump sobre o dólar também pressionam em dia de fusões e aquisições.
Wall Street no vermelho após discurso de May e queda do dólar
David Santiago 17 de janeiro de 2017 às 14:34

O índice industrial Dow Jones abriu a sessão desta terça-feira, 17 de Janeiro, a perder 0,23% para 19.840,89 pontos, tal como o tecnológico Nasdaq Composite que começou o dia a a recuar 0,34% para 5.555,16 pontos.

 

Já o índice Standard & Poor’s 500 abriu a sessão a resvalar 0,30% para 2.267,92 pontos.

 

A pressionar Wall Street está o discurso realizado hoje pela primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, que anunciou que Londres vai sair da União Europeia através de um "hard Brexit", ou seja, sem pré-negociar a permanência do país nas instituições europeia e no mercado único europeu.

May acrescentou ainda que depois de concretizada a saída da UE, pretende avançar com uma "parceria estratégica" com o bloco europeu. 

Também a penalizar o sentimento nas praças norte-americanas estão as declarações hoje feitas pelo presidente eleito do país. Questionado sobre a desvalorização do dólar contra a libra e também face ao euro que se verifica esta terça-feira, Donald Trump defendeu que a perda de valor da moeda norte-americana não é problemática, lembrando que a força do dólar relativamente ao yuan chinês "está a matar-nos". Trump sustentou que "a nossa moeda é demasiado forte", o que impede as "nossas" empresas de competirem com as companhias chinesas. 

Também a marcar o início de sessão em Wall Street está o acordo já alcançado para a compra da Reynolds American pela British American Tobacco (BAT) por um valor de 49,4 mil milhões de dólares (46,6 mil milhões de euros), fusão que criará a maior empresa mundial de tabaco, juntando marcas como a Lucky Strike e a Camel. A BAT abriu a sessão nos Estados Unidos a perder 0,69% para 114,42 dólares e a Reynolds a ganhar 3,73% para 58,06 dólares.

Nota ainda para o Morgan Stanley que começou o dia a recuar 0,91% para 43,41 dólares depois de o banco ter reportado lucros no quarto trimestre de 2016 que superaram as estimativas dos analistas consultados pela Bloomberg. 

Por fim, destaque ainda para a General Motors que abriu a ceder ligeiros 0,04% para 37,324 dólares depois de a fabricante automóvel ter hoje anunciado um investimento de mil milhões de dólares em unidades de produção nos Estados Unidos e a criação de 5 mil novos postos de trabalho. 

(Notícia actualizada às 14:50)


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.01.2017


OS BURROS.

Curiosamente (ou não) a maioria dos que chamam burros aos eleitores Americanos, por elegerem Trump...

São os burros que elegeram o Socrates Gatuno e o Costa Ladrão, que levaram Portugal à bancarrota!

comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2017


Ladrões PS - PCP - BE - e seus votantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

O que realmente importa aqui, é que a GERINGONÇA dá TODOS e mais alguns MOTIVOS para que Portugal passe a vida nas bocas das alcoviteiras, e não alcoviteiras!!
Que Costa não tem vergonha é um FACTO, mas eu e uma grande maioria dos Portugueses gosta de andar de cara levantada, e não é porque a selecção venceu o Europeu, e muito menos porque o Ronaldo é Português.

Mas Schauble, não por ser inteligente, mas porque não deve nada a ninguém, sabe o que diz!!!
Estamos a caminhar NOVAMENTE para um problema SÉRIO!!!
E quem o nega consegue ser tão troglodita como ele!!
Com uma diferença. Schauble é um TROGLODITA alemão que diz a VERDADE.

A geringonça é um conjunto de TROGLODITAS Portugueses que MENTEM, e exploram os seus concidadãos, em beneficio de outros, mais próximos da sua área de influência.

É caso para dizer, SÓ NOS SAI MER_DA na RIFAS!!!

Anónimo 17.01.2017


OS BURROS.

Curiosamente (ou não) a maioria dos que chamam burros aos eleitores Americanos, por elegerem Trump...

São os burros que elegeram o Socrates Gatuno e o Costa Ladrão, que levaram Portugal à bancarrota!

pub
pub
pub
pub