Bolsa Wall Street perto da linha de água com descidas marginais

Wall Street perto da linha de água com descidas marginais

As bolsas norte-americanas encerraram com perdas muito marginais, praticamente inalteradas face à véspera, no dia em que a reforma fiscal da Administração Trump ficou aprovada no Congresso, só faltando agora ser promulgada pelo presidente dos EUA.
Wall Street perto da linha de água com descidas marginais
Reuters
Carla Pedro 20 de dezembro de 2017 às 21:08

O Dow Jones encerrou a recuar 0,11% para 24.726,58 pontos e o Standard & Poor’s 500 fechou a ceder 0,08% para 2.679,26 pontos.

 

Também o tecnológico Nasdaq Composite cedeu terreno, a resvalar 0,04% para 6.960,96 pontos.

 

As praças bolsistas do outro lado do Atlântico aproveitaram a "luz verde" à reforma fiscal, hoje dada pelo Senado e pela Câmara dos Representantes, para aliviarem um pouco dos altos e baixos sentidos ao longo de um mês enquanto os republicanos de ambas as casas do Congresso aprovavam as suas versões e limavam arestas para chegarem a um texto final comum.

 

Acabaram por ceder ligeiramente na hora do fecho, numa altura em que os investidores aproveitam para fazer uma pausa depois do frenesim do último mês.

 

Ontem, a proposta de reforma fiscal foi aprovada na Câmara dos Representantes por 227 votos a favor e 203 contra, superando assim a oposição cerrada dos democratas e o "não" de 12 republicanos. Depois seguiu para o Senado, onde se concluiu haver três cláusulas que iam contra as regras da câmara alta do Congresso. Hoje de manhã, a nova versão, já com essas três cláusulas eliminadas, foi aprovada no Senado por 51-48 votos, e regressou à Câmara dos Representantes – tendo sido aprovada por 224-201.

 

Só falta agora a promulgação do presidente Donald Trump para que a reforma fiscal – a mais ambiciosa em 30 anos, no valor de 1,5 biliões de dólares – avance e entre em vigor a partir de 1 de Janeiro próximo.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub