Bolsa Wall Street recua com incerteza fiscal e declarações da Fed

Wall Street recua com incerteza fiscal e declarações da Fed

As principais praças dos Estados Unidos começaram o dia em queda, ainda a serem penalizadas pela incerteza em torno da reforma fiscal e com os investidores a pesarem as mais recentes declarações de membros da Fed.
Wall Street recua com incerteza fiscal e declarações da Fed
Reuters
David Santiago 14 de novembro de 2017 às 14:39

Depois de ter fechado a última sessão em alta, Wall Street regressou esta terça-feira às quedas. O índice Dow Jones abriu a cair 0,28% para 23.373,24 pontos, acompanhado pelo Nasdaq Composite a recuar 0,35% para 6.734,270 pontos, e pelo Standard & Poor’s 500 a perder 0,35% para 2.575,81 pontos.

 

Uma vez mais a penalizar o sentimento em Wall Street está a incerteza acerca da reforma fiscal em discussão no Congresso, com duas propostas distintas apresentadas pelos republicanos nas duas câmaras.

 

Os senadores do Partido Republicano contrariaram a intenção da administração liderada por Donald Trump que pretendia aplicar já em 2018 os cortes fiscais através dos quais a Casa Branca pretende reduzir o IRC de 35% para 20%.

 

Também a contribuir para o menor optimismo está o aproximar do fim da época de apresentação de resultados, isto depois de os aumentos dos lucros e receitas alcançados pela generalidade das cotadas americanas ter levado Wall Street a renovar máximos ao longo das últimas semanas.

 

Os investidores avaliam também as mais recentes declarações feitas por elementos da Reserva Federal dos Estados Unidos, tendo como objectivo descortinar as intenções da Fed sobre a política monetária no curto prazo, ou seja, se a instituição liderada por Janet Yellen decretará em Dezembro um novo aumento dos juros, que a acontecer será o terceiro em 2017.

 

A presidente da Fed, Janet Yellen, disse hoje numa conferência organizada pelo BCE, que decorre em Frankfurt, que a política da instituição terá sempre de ser encarada como condicional à forma como se desenvolver a economia.

 

Na mesma conferência, o presidente da Fed de Chicago, Charles Evans, falou na necessidade de o banco central americano dispor de ferramentas que lhe permitam reagir mais efectiva e rapidamente a eventuais choques sempre que cortes dos juros não se mostrem suficientes.

 

Também a concentrar as atenções dos investidores americanos está a divulgação dos dados mais recentes sobre os preços na produção. O relatório do Departamento do Trabalho mostrou um aumento de 0,4% dos preços na produção em Outubro, uma evolução idêntica à registada em Setembro e que superou as estimativas dos analistas consultados pela Reuters que antecipavam um aumento de apenas 0,1%.

A pressionar o início da negociação bolsista em Wall Street está a Home Depot que resvala 0,88% para 164,28 dólares depois de a retalhista e também a TJX que perde 5,16% para 67,03 dólares após ter apresentado resultados que confirmaram o impacto negativo provocado pela época de furacões.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Há 6 dias

E os CTT devem chegar aos 50 centimos

pub