Bolsa Wall Street recupera em dia de investidura de Trump

Wall Street recupera em dia de investidura de Trump

As principais praças do outro lado do Atlântico abriram em alta, a corrigirem das recentes perdas decorrentes sobretudo da redução da exposição dos investidores às acções norte-americanas.
Wall Street recupera em dia de investidura de Trump
Carla Pedro 20 de janeiro de 2017 às 14:47

Ao sexto dia, Wall Street arrebitou. Os investidores decidiram dar tréguas aos índices bolsistas e estão a corrigir das quedas recentes neste dia de tomada de posse de Donald Trump como 45º presidente norte-americano.

 

O índice industrial Dow Jones segue a somar 0,41% para 19.813,63 pontos, depois de ontem ter marcado a sua primeira série de cinco quedas seguidas desde as eleições presidenciais de 8 de Novembro.

 

Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite avança 0,42% para se fixar nos 5.563,35 pontos.

 

Também o Standard & Poor’s 500 segue a negociar em terreno positivo, a valorizar 0,53% para 2.275,81 pontos.

 

Os fundos de acções norte-americanas perderam o equivalente a 2,5 mil milhões de dólares no período entre 11 e 18 de Janeiro – sendo esta a quarta semana de saída de dinheiro, nas últimas cinco, segundo uma nota de "research" do Bank of America Merril Lynch citada pela Bloomberg.

 

Recorde-se que em Novembro passado, e grande parte de Dezembro, os índices de Wall Street subiram fortemente, animados pelas expectativas de que as políticas de Trump fomentem o crescimento económico.

 

Nos últimos dois meses de 2016, os investidores colocaram 84 mil milhões de dólares em fundos de acções norte-americanas, mas agora têm estado a usar de prudência à espera de perceber como será de facto a Administração Trump.

 

Em meados de Dezembro, a escalada das praças norte-americanas acabou por se deter, ficando os principais índices a lateralizar – e com o Dow Jones muitas vezes perto de atingir a mítica fasquia dos 20.000 pontos mas sem chegar a consegui-lo.

 

Entretanto, o arranque da época de apresentação dos resultados do quarto trimestre revelou-se positivo, com a banca a reportar contas melhores do que o esperado. Ainda assim, cautela tem sido a palavra de ordem junto dos investidores e este sector foi ontem um dos mais penalizados, depois de Steven Mnuchin, nomeado por Trump para o Tesouro, não ter defendido uma regulação dura durante a sua audiência de confirmação no Senado.

 

A pressionar as bolsas do outro lado do Atlântico estiveram também declarações do multimilionário investidor George Soros, que disse que a euforia entre os investidores dos mercados accionistas desde a vitória de Trump acabará assim que a incerteza termine.

 

Hoje, os investidores decidiram dar tréguas. Resta saber como vão terminar o dia. Às 12:00 em Washington (17:00 em Lisboa) iniciam-se as cerimónias de tomada de posse de Trump e o seu discurso de investidura irá influenciar a tendência dos mercados. Wall Street tem, aliás, evoluído bastante ao sabor das declarações de Trump desde que venceu as eleições presidenciais.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub