Bolsa Wall Street regressa aos ganhos, mas com muita timidez

Wall Street regressa aos ganhos, mas com muita timidez

Os principais índices bolsistas dos EUA encerraram em terreno positivo. Os ganhos foram tímidos, mas o optimismo foi mais forte do que a prudência.
Wall Street regressa aos ganhos, mas com muita timidez
Bloomberg
Carla Pedro 09 de março de 2017 às 21:28

O Dow Jones fechou hoje a somar 0,01% para 20.858,19 pontos, depois de ter marcado quatro perdas nas cinco sessões anteriores.

 

Também o Standard & Poor’s 500 negociou em alta, terminado a subir 0,10% para 2.364,94 pontos, após três descidas consecutiva.

 

O tecnológico Nasdaq Composite, que já ontem tinha conseguido encerrar no verde, manteve a tendência e encerrou a valorizar 0,02%para 5.838,80 pontos.

 

As subidas foram, assim, muito marginais, mantendo os índices ainda distantes dos mais recentes máximos históricos – todos eles estabelecidos na sessão de 1 de Março.

 

Os índices norte-americanos têm estado a corrigir do "rally" das últimas três semanas que os levaram a marcar recordes consecutivos (de fecho e históricos).

 

A contribuir para que as principais bolsas norte-americanas não tenham tido ganhos mais expressivos esteve a queda dos preços do crude, com o "ouro negro" a prosseguir a tendência negativa em que mergulhou – penalizado sobretudo pelos receios de que o corte de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo não esteja a ser suficiente para contrabalançar o aumento de produção noutras regiões, como é o caso dos Estados Unidos (onde a exploração a partir de xisto betuminoso tem vindo a aumentar fortemente).

 

Este mergulho do petróleo esteve uma vez mais a pressionar as cotadas do sector da energia.

 

Em destaque pela negativa estiveram também os títulos ligados ao mercado imobiliário, com esta categoria a descera agregadamente pela oitava sessão consecutiva – a mais longa série de perdas desde Agosto de 2013. Estes títulos são cobiçados pelos altos dividendos, mas tornam-se menos atractivos quando os juros das Obrigações do Tesouro descem, como está a ser o caso.

 

As yields das OT a 10 anos desceram para 2,60%, um nível que o gestor de activos Bill Gross diz que poderá estar a marcar a entrada num "mercado urso".

 

Os investidores estão agora à espera dos dados de Fevereiro do mercado laboral nos EUA, que serão divulgados amanhã. As estimativas apontam para que tenham sido criados cerca de 200.000 empregos, em linha com a média dos últimos seis meses - um sinal de crescimento estável dos empregos.

 

Além disso, estão na expectativa da reunião da próxima semana (14 e 15 de Março) da Reserva Federal norte-americana, com as probabilidades a apontarem de forma unânime para uma subida dos juros directores em 25 pontos base.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub