Bolsa Wall Street sem rumo depois de Trump anunciar tarifas às importações

Wall Street sem rumo depois de Trump anunciar tarifas às importações

Apesar do fim da paralisação de alguns serviços nos Estados Unidos ter sido ultrapassada, as principais praças bolsistas arrancaram a sessão sem uma tendência definida. O mercado está a digerir e a avaliar a decisão de Washington de aplicar tarifas às importações.
Wall Street sem rumo depois de Trump anunciar tarifas às importações
Bloomberg
Ana Laranjeiro 23 de janeiro de 2018 às 14:37

A sessão de ontem terminou em alta, depois dos índices terem tocado em novos máximos, com os investidores a aplaudirem o fim do "shutdown". Mas esta terça-feira, a sessão bolsista em Wall Street arrancou sem uma tendência definida.

O Dow Jones cede 0,07% para 26.195,10 pontos, o Nasdaq cresce 0,24% para 7.425,527 pontos e o S&P500 avança 0,03% para 2.833,82  pontos. Esta evolução bolsista tem lugar numa altura em que se sabe que os Estados Unido vão aplicar tarifas às importações.

Donald Trump anunciou esta terça-feira uma tarifa de até 50% sobre painéis solares e máquinas de lavar importadas, naquele que está a ser considerado o primeiro grande passo proteccionista do presidente dos Estados Unidos. As taxas serão de 30% no caso do equipamento solar produzido fora dos Estados Unidos, baixando gradualmente nos anos seguintes para 15%, e de 50% sobre as máquinas de lavar importadas.

Esta decisão de Donald Trump está a suscitar receios entre os investidores de que haja retaliações, escreve a Reuters. É que tanto a Coreia do Sul e da China já protestaram contra estas decisões. Embora, Seul não tenha esclarecido se vai responder à decisão norte-americana.

"Não sabemos se isto vai ser o início de algo maior ou se é alguma coisa que pode escalar para uma guerra comercial", disse à Reuters Art Hogan da B. Riley FBR. Além disso, acrescentou o chefe de estratégia de mercado, que esta decisão de aplicações de tarifas pode provocar um aumento dos receios de que os EUA deixem o NAFTA.

Entre as cotadas, destaque para a Netflix, que dispara 10,35% para 251,13 dólares, depois de ontem ter reportado ao mercado fechou o quarto trimestre fiscal com 8,33 milhões de novos subscritores, dois milhões acima do que era esperado pelo consenso em Wall Street. 

O Facebook cresce 0,58% para 186,45 dólares. Nas últimas horas, a rede social disse que ia dar prioridade ao conteúdos  pessoais em detrimento dos de empresas.

A Microsoft avança 0,35% para 91,93 dólares e a Apple cresce 0,43% para 177,755 euros.

Na banca, o JPMorgan cede 0,50% para 113,7534 dólares. O banco anunciou que vai investir 20 mil milhões para contratar e aumentar salários. O Goldman Sachs desce 1,68% para 257,115 dólares e o Morgan Stanley cede 0,49% para 57,08 dólares.

(Notícia actualizada às 14:52)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eu só ESPERO que não FAÇAM ao BCP Há 4 semanas


eu só espero que NÃO FAÇAM ao MILENIUM BCP o mesmo que fizeram ao MONTEPIO
é que osdespois FICAMOS SEM NENHUM BANQUINHO NO PSI20

Saber mais e Alertas
pub