Bolsa Wall Street sobe mais de 1% e acaba com ciclo de perdas em véspera das eleições

Wall Street sobe mais de 1% e acaba com ciclo de perdas em véspera das eleições

A decisão do FBI de voltar a encerrar a investigação ao caso dos emails de Hillary Clinton e a liderança da democrata nas sondagens estão a impulsionar as principais praças dos Estados Unidos que estão a somar acima de 1%.
Wall Street sobe mais de 1% e acaba com ciclo de perdas em véspera das eleições
Reuters
David Santiago 07 de Novembro de 2016 às 14:40

O índice industrial Dow Jones abriu a sessão desta segunda-feira, 7 de Novembro, a somar 1,36% para 18.130,92 pontos, acompanhado pelo tecnológico Nasdaq Composite que começou o dia a avançar 1,52% para 5.123,258 pontos. Também o índice Standard & Poor’s 500 abriu a sessão a ganhar 1,3% para 2.112,36 pontos.

 

Wall Street interrompe desta forma o maior ciclo de perdas em 36 anos. Os índices Nasdaq e S&P 500 acumularam nove dias consecutivos em queda, enquanto o Dow Jones somou sete sessões seguidas a perder valor.

 

A justificar o regresso do optimismo a Wall Street está o anúncio feito pelo FBI, dizendo que mantém a conclusão já anunciada em Julho e que consiste em não considerar haver razões para iniciar procedimentos criminais contra Hillary Clinton. Depois de há cerca de uma semana ter reaberto a investigação ao caso dos emails da candidata democrata à Casa Branca, o FBI vem assim ilibar Clinton da suspeita de qualquer delito.

 

Também a contribuir para o sentimento mais positivo estão ainda as mais recentes sondagens, que colocam de forma consistente Clinton à frente do seu principal rival, Donald Trump. Três sondagens conhecidas na véspera das eleições desta terça-feira, 8 de Novembro, atribuem uma vantagem de três a quatro pontos percentuais à antiga primeira-dama norte-americana.

 

Como nota a agência Bloomberg, a aproximação conseguida por Trump na semana passada – tendo mesmo superado Clinton numa sondagem do Washington Post e da ABC News – reforçou a incerteza nos mercados, com os investidores a mostrarem apreensão quanto à possibilidade de se repetir um cenário idêntico ao verificado no referendo britânico que deu a vitória ao Brexit, resultado que contrariou a generalidade das expectativas. As novas sonsagens estão assim a aliviar pressão sobre as praças bolsistas.

Destaque para cotadas como a Alcoa, que sobe mais de 3% para 25,96 dólares. A Caterpilar também aprecia mais de 1,5% para 83,80 dólares. 

Entre as tecnológicas também é o verde que impera, com a Amazon a valorizar mais de 2% para 773,02 dólares, assim como a Microsoft e a Google, que crescem mais de 2%.

As cotadas mais expostas ao petróleo também estão em alta, num dia em que os preços da matéria-prima voltam a subir. O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, está a apreciar mais de 1% para 44,57 dólares. A Exxon Mobil está a subir mais de 1% para 84,51 dólares.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

COFINA: INVERSÃO DA QUEDA
Receitas de jornais e TV no 1ºSem./16 caíam -1% (para 39,9 M€), 3 meses após no conjunto de 9 meses/2016 já sobem 0,9% (para 61,1 M€). Dívida liquida continua a baixar,para 56,5 M€,menos 2,1 M€ que final de Junho/16. E, tem lucros de 3,6 M€ nos 9 meses. COMPRAR FORTEMENTE.

Marina Laires Há 1 dia

O pior sera quando Trump vencer as eleicoes.

pub