Bolsa Wall Street sobe timidamente sem efeito Fed

Wall Street sobe timidamente sem efeito Fed

As principais bolsas dos Estados Unidos encerraram em alta ligeira, sem que o comunicado da Reserva Federal norte-americana tenha trazido alterações ao sentimento de prudência dos investidores.
Wall Street sobe timidamente sem efeito Fed
Bloomberg
Carla Pedro 01 de fevereiro de 2017 às 21:23

O índice industrial Dow Jones encerrou a sessão desta quarta-feira a somar 0,14% para 19.890,94 pontos, ao passo que o Standard & Poor’s 500 subiu 0,03% para se fixar nos 2.279,55 pontos.

 

Apesar do ganho marginal do S&P 500, foi o suficiente para terminar com o ciclo de perdas, que ontem marcou quatro sessões consecutivas – a mais longa série de descidas desde as eleições presidenciais do passado dia 8 de Novembro.

 

O tecnológico Nasdaq Composite também fechou a ganhar terreno, sendo o mais beneficiado hoje, muito à conta do bom desempenho da Apple. O índice avançou 0,50% para 5.642,65 pontos.

 

A Apple reportou ontem, depois do fecho de Wall Street, receitas e lucros acima das expectativas do mercado, tendo na sessão de hoje estado a capitalizar esse anúncio.

 

A tecnológica liderada por Tim Cook encerrou hoje a disparar 6,13% para 128,79 dólares por acção – a sua maior subida desde Julho passado e que deixou a cotação no valor mais alto desde Julho de 2015.

 

A Fed sublinhou hoje, após a sua reunião de dois dias, que a confiança dos consumidores e dos empresários continua a crescer e reiterou a sua intenção de ir subindo os juros directores de forma gradual. Ou seja, não trouxe informação nova em relação ao que já se sabia, continuando o mercado à espera que a autoridade monetária eleve três vezes a taxa de juro este ano, em 25 pontos base de cada vez.

 

A Reserva Federal não trouxe, assim, surpresas. A expectativa do consenso dos economistas era de que a Fed mantivesse a taxa directora inalterada, depois de a 14 de Dezembro passado a ter subido em 25 pontos base, para um intervalo compreendido entre 0,50% e 0,75% - o único aumento em 2016, depois de uma primeira subida em Dezembro de 2015 pela primeira vez em quase uma década.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub