Bolsa Wall Street volta aos ganhos após sete dias sempre em queda

Wall Street volta aos ganhos após sete dias sempre em queda

Depois de sete sessões consecutivas a negociar em terreno negativo, as principais praças dos Estados Unidos começaram o dia em alta reflectindo o maior optimismo dos investidores quanto a uma vitória de Hillary Clinton nas presidenciais da próxima semana.
Wall Street volta aos ganhos após sete dias sempre em queda
Reuters
David Santiago 03 de Novembro de 2016 às 13:40

Após sete sessões a cumular perdas, os principais índices bolsistas norte-americanos voltaram aos ganhos no início de sessão desta quinta-feira, 3 de Novembro. O índice industrial Dow Jones abriu a sessão a somar 0,13% para 17.982,31 pontos, acompanhado pelo tecnológico Nasdaq Composite que começou o dia a avançar 0,14% para 5.112,496 pontos.

 

Já o índice Standard & Poor’s iniciou a sessão a subir 0,1% para 2.100,52 pontos, interrompendo assim o maior ciclo de perdas em cinco anos.

 

A contribuir para este regresso de optimismo a Wall Street está a divulgação de sondagens que voltam a atribuir uma margem mais confortável da candidata Hillary Clinton face ao republicano Donald Trump.

 

Depois da recuperação nos estudos de opinião por parte do polémico magnata do imobiliário, que se seguiu à reabertura das investigações do FMI ao caso dos e-mails da antiga secretária de Estado norte-americana, as sondagens mais recentes parecem reposicionar Clinton para a vitória nas eleições presidenciais agendadas para 8 de Novembro.

 

A sondagem da ABC e do Washington Post atribui 47% das intenções de voto a Clinton e 45% a Trump, e o estudo da CBS e do New York Times também coloca a candidata democrata (45%) à frente do candidato republicano.  

 

Também a marcar este início de sessão está a decisão tomada na passada quarta-feira pela Reserva Federal dos Estados Unidos. Como se esperava, a Fed decidiu manter inalterada a taxa de juro no intervalo entre 0,25% e 0,5%, embora tenha reconhecido que é cada vez mais forte a possibilidade de um novo aumento.

 

"O Comité [de política monetária] considera que o caso para um aumento da taxa de juro continuou a reforçar-se mas decidiu, por agora, aguardar por sinais adicionais" relativos à recuperação da maior economia mundial, podia ler-se no comunicado divulgado depois da reunião de dois dias que ontem terminou. O que reforça a especulação em torno da possibilidade de no próximo mês de Dezembro a Fed decretar a segunda subida dos juros no espaço de um ano.

 

Mas apesar de a instituição liderada por Janet Yellen ter notado que as políticas acomodatícias deverão continuar a contribuir para a melhoria das condições do mercado laboral, esta quinta-feira o Departamento do Trabalho revelou que aumentou inesperadamente o número de pedidos de subsídios de desemprego.

 

Os pedidos aumentaram em 7 mil para 265 mil na semana finda a 29 de Outubro, o que representa o valor mais elevado em quase três meses, isto depois de há poucas semanas ter sido registado o valor mais baixo em quarenta anos. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub