Bolsa Wall Street em queda arrastada pela energia e consumo

Wall Street em queda arrastada pela energia e consumo

As acções ligadas ao sector de energia e de consumo arrastaram as bolsas norte-americanas para quedas na sessão desta segunda-feira.
Wall Street em queda arrastada pela energia e consumo
Reuters
Negócios 17 de Outubro de 2016 às 21:24
As bolsas norte-americanas fecharam, esta segunda-feira, 17 de Outubro, em baixa, o que os analistas explicam pela tomada de posições mais defensivas dos investidores face aos alertas de uma inflação superior e à queda nos preços do petróleo. 

O índice Dow Jones caiu 0,29% para 18.086,40 pontos, com uma queda de 1,47% da McDonalds's e de 1,14% da Nike. O S&P 500 escorrou 0,34% para 2.125,82 pontos
, o nível mais baixo desde inícios de Julho, com a queda nas acções ligadas ao sector do consumo e energia.  

O Nasdaq caiu 0,27% para
 5.199,82.

O que fará a Fed em torno dos juros continua a ser o principal motor da evolução de Wall Street e cada palavra dos responsáveis é analisada ao pormenor. Foi o que aconteceu. "Estamos muito próximos dos nossos objectivos" no que respeita ao mercado de trabalho e à taxa de inflação rondar os 2%, afirmou Stanley Fischer, vice-presidente da Reserva Federal (Fed) dos EUA, citado pela Reuters, acrescentando, no entanto, que "não é muito simples" para a Fed subir as taxas. Ainda assim, num discurso feito em Nova Iorque, alertou para o facto de as baixas taxas de juros poderem ser uma ameaça. 


Declarações num momento em que a tomada de posição da Fed é uma interrogação para os mercados que, ainda assim, têm apontado essa decisão para Dezembro. O que acompanha o tumulto causado pelas eleições presidenciais norte-americanas e pelo nervosismo em torno dos resultados do terceiro trimestre que as empresas cotadas têm vindo e vão apresentar.

Esta noite foi a vez da Netflix e da IBM que superaram as estimativas em algumas rúbricas. O Netflix, antes de apresentar resultados, caiu 1,6% enquanto a Amazon protagonizou uma desvalorização de 1,2%, a terceira consecutiva. Levando este sector de consumo a cair no cômputo global.

Depois de ter apresentado os resultados, o Netflix no "after market" (transacções depois do encerramento da bolsa) chegou a subir 20%.

Na sessão desta segunda-feira foram também as empresas de energia a penalizar o índice, em consequência da descida dos preços do petróleo. O crude, em Nova Iorque, está abaixo dos 50 dólares e o brent em Londres transacciona nos 51,5 dólares, mas ambos registaram quedas de 0,8%.

Os resultados são, no entanto, o ponto mais sensível. Até segunda-feira de manhã, 7% das empresas que compõem o S&P 500 já tinham apresentado resultados. A estimativa é que no trimestre haja uma queda de lucros de 0,1%, o que ainda assim significará uma melhoria face aos 0,5% de queda esperados a 1 de Outubro, de acordo com dados da Thomson Reuters.

Já o Bank of America registou uma subida de 0,3$, depois dos lucros terem subido pela primeira vez em três trimestres, superando também as estimativas. 

(Notícia actualizada às 23:00 com mais informação)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub