Bolsa Wall Street quase inalterada à espera de dados do emprego. Twitter afunda 20%

Wall Street quase inalterada à espera de dados do emprego. Twitter afunda 20%

As principais praças norte-americanas fecharam a sessão desta quinta-feira em terreno misto, mas com oscilações pouco expressivas. Destaque, pela negativa, para as acções do Twitter, que afundaram devido a informações de que a Google não fará uma oferta de compra à rede social.
Wall Street quase inalterada à espera de dados do emprego. Twitter afunda 20%
Reuters
Carla Pedro 06 de Outubro de 2016 às 22:08

O Standard & Poor’s 500 encerrou a somar menos de 0,10% para 2.160,83 pontos, ao passo que o índice industrial Dow Jones resvalou 0,07% para se fixar nos 18.268,50 pontos.

 

O tecnológico Nasdaq Composite, por seu lado, recuou 0,17% para 5.306,85 pontos.

 

A penalizar as tecnologias esteve sobretudo o Twitter, que registou o maior mergulho desde Abril de 2015.

 

As acções da rede social liderada por Jack Dorsey terminaram a cair 19,88% para 19,925 dólares, depois de do website de notícias sobre tecnologia Recode ter reportado que a Google não está a planear lançar uma oferta de compra sobre a empresa.

 

O Recode avançou também, citando fontes não identificadas, que nem a Apple nem a Walt Disney estarão a pensar fazer ofertas sobre o Twitter. Estas eram as três empresas avançadas pela Bloomberg e pelo Financial Times como estado interessadas na rede social das micromensagens.

 

Ainda no sector tecnológico, a Apple subiu pela terceira sessão consecutiva, mas isso não foi suficiente para animar o Nasdaq e levá-lo a terreno positivo, já que o Twitter pesou bastante.

 

Outro dos sectores que esteve hoje a revelar um desempenho negativo foi o das farmacêuticas. A Mylan afundou para mínimos de três anos, penalizada pelo facto de os legisladores continuarem a pressionar a empresa relativamente aos preços do seu medicamente contra as alergias EpiPen.

 

Do lado dos ganhos, destaque para a Whole Foods Market, que disparou perto de 7% devido à especulação de que poderá ser alvo de compra por parte da sua concorrente Kroger.

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub