Bolsa Wall Street sem rumo marcado à espera do arranque da época de resultados

Wall Street sem rumo marcado à espera do arranque da época de resultados

Os principais índices bolsistas do outro lado do Atlântico abriram pouco inalterados, depois de terem sido divulgados os dados do mercado laboral nos EUA que revelaram um crescimento estável do emprego em Setembro e que provavelmente não forçarão a Fed a apressar-se na política de subida de juros.
Wall Street sem rumo marcado à espera do arranque da época de resultados
Reuters
Carla Pedro 07 de Outubro de 2016 às 14:42

O Standard & Poor’s 500 segue a subir 0,20% para 2.165,58 pontos, ao passo que o índice industrial Dow Jones perde 0,13% para se fixar nos 18.245,39 pontos.

 

O tecnológico Nasdaq Composite, por seu lado, recua 0,10% para 5.301,50 pontos.

 

No acumulado entre segunda e sexta-feira, as bolsas em Wall Street caminham para perdas semanais, depois de várias sessões de grande volatilidade, com os investidores atentos aos discursos de responsáveis da Reserva Federal para tentarem perceber se a economia está sólida o suficiente para aguentar um aumento das taxas de juro.

 

As contratações aumentaram em 156.000 em Setembro, nos EUA, mostrando que o mercado de trabalho está a entrar num rumo que sustentará a economia se a Fed decidir subir os juros. Os economistas inquiridos pela Bloomberg apontavam para um aumento de 172.000 empregos. Já a taxa de desemprego norte-americana subiu para 5%.

 

A probabilidade de a Fed aumentar os juros directores em Dezembro está agora nos 62%, contra 53% na semana passada, segundo os dados compilados pela Bloomberg. Quanto à possibilidade de ser já em Novembro, apenas 24% dos operadores acreditam que isso possa acontecer.

 

Além dos dados económicos, os investidores estão também à espera de saber como foram as contas do terceiro trimestre. Na próxima semana, dia 11 de Outubro, a Alcoa dará – como é hábito – o pontapé de saída da época de divulgação dos resultados.

 

Os analistas estimam uma descida de 1,5% dos lucros trimestrais das cotadas no S&P 500.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


FP e CGA SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores do privado.

A CGA tem 500 000 beneficiários (que se aposentaram a maioria com 50 e tal anos) e que continuam a ser sustentados em larga % pelos impostos cada vez mais altos pagos pelos outros trabalhadores.

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


O VERDADEIRO SOCIALISTA

Um verdadeiro socialista defende a igualdade (critérios iguais) e a justiça para todos os cidadãos.

Ao contrário de muitos portugueses que se dizem socialistas (incluindo os do governo), mas que apenas defendem os interesses particulares de alguns grupos privilegiados…

Em detrimento dos restantes cidadãos (a maioria dos portugueses) que são cada vez mais sacrificados para sustentar os privilégios, as mordomias, as regalias e as benesses desses grupos (FP & CGA).

Anónimo Há 4 semanas


O VERDADEIRO SOCIALISTA

Um verdadeiro socialista defende a igualdade (critérios iguais) e a justiça para todos os cidadãos.

Ao contrário de muitos portugueses que se dizem socialistas (incluindo os do governo), mas que apenas defendem os interesses particulares de alguns grupos privilegiados…

Em detrimento dos restantes cidadãos (a maioria dos portugueses) que são cada vez mais sacrificados para sustentar os privilégios, as mordomias, as regalias e as benesses desses grupos (FP & CGA).

Anónimo Há 4 semanas


FP e CGA SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores do privado.

A CGA tem 500 000 beneficiários (que se aposentaram a maioria com 50 e tal anos) e que continuam a ser sustentados em larga % pelos impostos cada vez mais altos pagos pelos outros trabalhadores.

pub