Mercados WPP perde o líder e valor na bolsa. Acções caem quase 7%

WPP perde o líder e valor na bolsa. Acções caem quase 7%

Após 33 anos à frente da gigante de publicidade WPP, Martin Sorrell afasta-se da gestão da empresa. O efeito já se faz sentir nas acções: estas encontram-se a desvalorizar perto de 7%.
WPP perde o líder e valor na bolsa. Acções caem quase 7%
Reuters
Ana Batalha Oliveira 16 de abril de 2018 às 16:44
A gigante de publicidade WPP viu o CEO, Martin Sorrell, abandonar o cargo que detinha há 33 anos. Sorrel demitiu-se na sequência de uma investigação, na qual é acusado de má conduta. Os investidores penalizam, com uma queda de quase 7% no valor dos títulos. 

A demissão foi avançada no último sábado pela Bloomberg. As acções marcavam 1.188 dólares na sexta-feira, dia 13, mas depois do fim-de-semana conturbado, desvalorizam agora 6,99% para 1.105 dólares por título. Este tem sido um ano turbulento para a WPP. Ainda no início de Março, a empresa assistiu à maior quebra no valor das ações dos últimos 20 anos - cederam 11% após a apresentação de resultados relativos a 2017, "um dos piores anos" em termos do desempenho da WPP. 

Numa nota enviada aos trabalhadores, o CEO demissionário justifica-se com a "pressão desnecessária" que, acredita, estava a prejudicar a empresa e os respectivos clientes. "É melhor afastar-me", conclui. A gigante de media e publicidade optou por não revelar detalhes acerca das alegações no âmbito da investigação que visa Sorrell. 

Roberto Quarta, que ocupava o cargo de chairman do grupo de publicidade, assegura o comando da empresa com o título de chairman executivo. Mark Read, da agência Wunderman (parte do grupo WPP), assume o cargo de CEO em conjunto com Andrew Scott, antigo director de desenvolvimento da WPP.  

A saída do antigo líder pode mesmo significar uma cisão na empresa, uma vez que Sorrel era o responsável por "manter o império consolidado", escreve a agência noticiosa. Sorrell deixa, contudo, uma menagem de encorajamento aos colaboradores, afirmando que a WPP já ultrapassou outras "tempestades difíceis".












A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub