Bolsa Yellen anima bolsas e coloca S&P 500 na rota dos máximos históricos

Yellen anima bolsas e coloca S&P 500 na rota dos máximos históricos

Depois de o Dow Jones ter estabelecido novos máximos históricos em algumas das últimas sessões, bem como sucessivos recordes de fecho, agora é o Standard & Poor’s 500 que está a caminho de fazer o mesmo. As declarações da presidente da Fed estão a ajudar.
Yellen anima bolsas e coloca S&P 500 na rota dos máximos históricos
Reuters
Carla Pedro 17 de Novembro de 2016 às 21:24

A presidente da Reserva Federal norte-americana, Janet Yellen, disse esta quinta-feira – no seu primeiro discurso após Donald Trump ter ganho as eleições presidenciais – que pretende levar o seu mandato até ao fim, e sublinhou que o banco central está perto de subir novamente as taxas de juro, uma vez que a economia dos EUA continua a ganhar tracção. 

As declarações de Yellen sustentaram Wall Street e o S&P 500 ficou muito perto de estabelecer um novo máximo histórico, ao encerrar a somar 0,50% para 2.187,12 pontos. O seu actual recorde de sempre foi marcado a 15 de Agosto, nos 2.193,81 pontos.

 

Também o índice industrial Dow Jones fechou a negociar no verde, a ganhar 0,19% para 18.903,82 pontos. O seu máximo histórico, atingido na segunda-feira, 14 de Novembro, está nos 18.934,05 pontos.

 

As subidas do Dow Jones foram travadas pelas perdas da Cisco Systems, depois de esta ter estimado lucros abaixo do esperado e previsto uma redução das vendas. A contrabalançar estiveram os ganhos da Best Buy, depois de reportar um resultado líquido superior às expectativas.

 

O tecnológico Nasdaq Composite, por seu lado, encerrou a valorizar 0,74% para se fixar nos 5.333,97 pontos, depois de numa primeira fase, logo a seguir às eleições presidenciais, ter sido bastante castigado perante os receios de que Trump imponha medidas proteccionistas que afectem as empresas deste sector - bastante dependentes do exterior para as suas receitas.

 

Entre os ganhos do dia, destaque para a banca, que já ganha mais de 10% desde a vitória de Trump, na expectativa de medidas que beneficiem o sector. Nas últimas nove jornadas bolsistas, o grupo de títulos financeiros que integram o S&P 500 apenas cedeu terreno na sessão de ontem.

 

Nas perdas, uma vez mais os títulos da energia estiveram em evidência, penalizados pela queda das cotações do petróleo nos principais mercados internacionais.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub