Fundos de investimento Fundo que ganhou 10.000% com Spotify aposta em novos vencedores

Fundo que ganhou 10.000% com Spotify aposta em novos vencedores

Das 1.000 empresas analisadas a cada ano, o Creandum acaba por se reunir com cerca de 300 e investe em entre cinco e 10 empresas após um rigoroso processo de selecção.
Fundo que ganhou 10.000% com Spotify aposta em novos vencedores
DR
Bloomberg 08 de setembro de 2018 às 21:00

O fundo de investimento que obteve um retorno de 10.000% tendo sido um dos primeiros a investir na gigante do streaming de música Spotify Technology tem agora expectativas semelhantes para um trio de start-ups suecas.

 

A Neo Technology, a Kry e a Epidemic Sound têm o "potencial do Spotify", disse Johan Brenner, sócio-geral da Creandum, em entrevista. "Nós só entramos em empresas com possibilidade de se tornarem líderes globais."

 

O Creandum, um fundo de capital de risco que gere cerca de 500 milhões de euros a partir de escritórios em Estocolmo, Berlim e São Francisco, investe num estágio inicial nas chamadas rondas de investimento. Cerca de 85% do seu capital costuma ser destinado para rondas série A.

 

Brenner prevê um rápido crescimento da fornecedora de serviços de saúde digital Kry, da Neo Technology, a empresa por detrás do Neo4j, uma das ferramentas usadas para analisar os Panama Papers, e da biblioteca de música Epidemic Sound. As empresas podem estar prontas para uma oferta pública inicial ou para algo semelhante dentro de três a quatro anos, segundo Brenner.

 

"Continuamos a investir em quem é bem-sucedido", disse. "No ramo do capital de risco, nem tudo, e nem mesmo metade, resulta em algo positivo. Em cada 10 empresas, cinco correm mal, três têm um desempenho aceitável e duas dão-se muito bem."

 

Selecção

Das 1.000 empresas analisadas a cada ano, o Creandum acaba por se reunir com cerca de 300 e investe em entre cinco e 10 empresas após um rigoroso processo de selecção. Cada fundo tem uma perspectiva de 12 anos, com cinco anos de investimento e entre cinco e sete anos para colher retornos. O Creandum investiu no Klarna, na Kahoot!, na itslearning e na Planday, entre outros.

 

O sector não é importante, segundo Brenner. "Todos os sector podem ser revolucionados com novos modelos de negócios", disse. "O mais importante para nós ao fazer a selecção é a qualidade da equipa fundadora, que a ideia do negócio seja única e, acima de tudo, que entre num grande mercado."

 

Até ao momento a estratégia tem compensado. O fundo Creandum II, criado em 2007, deu retorno de cerca de 1.000%. Em Maio, o fundo vendeu a sua participação na iZettle à PayPal Holdings. Este fundo também foi um dos primeiros investidores institucionais do Spotify, em 2008, mas agora começou a abandonar os investimentos após a abertura de capital da empresa, em Nova Iorque, em Abril.

 

"Não importa o que pensamos da empresa, não faz parte do nosso perfil manter empresas de capital aberto", disse.

 

(Texto original: Fund That Made 10,000% Spotify Bets Looks for New Winners)




pub