Investidor Privado Há depósitos para todas as poupanças. Escolha o seu

Há depósitos para todas as poupanças. Escolha o seu

Depósitos há muitos. Com prazos mais curtos, mais longos, com juros à cabeça ou só no final, trabalham todos para as suas poupanças. A banca tem encontrado formas de reinventar este produto, tornando difícil a escolha do melhor para colocar o dinheiro a render. Conheça os prós e contras de cada um dos depósitos e descubra qual se adapta melhor às suas necessidades
Há depósitos para todas as poupanças. Escolha o seu
Paulo Moutinho 07 de maio de 2012 às 12:00
Perante a incapacidade de obter liquidez nos mercados, os bancos viraram atenções para os seus clientes. O objectivo era o de captar recursos através dos "tradicionais" depósitos a prazo. Começaram pelo mais simples: juros elevados. A oferta de taxas altas mantém-se, mas para "colher" mais poupanças, o sector tem-se socorrido de uma série de invenções para que todos os portugueses lá pendurem o dinheiro.

Apesar das limitações introduzidas pelo Banco de Portugal, que avançou com penalizações sobre as instituições que praticam aplicações com juros altos, o sector tem procurado manter a aposta. Isso é visível através da evolução da taxa média praticada nos depósitos que continua a ser uma das mais generosas entre os países da Zona Euro.

Depois do máximo de mais de 4,5%, em Outubro, a taxa caiu, mas mantém-se acima da fasquia dos 3,5%, fazendo frente a muitos outros produtos de poupança, entre eles os do Estado. Mas, além da taxa elevada, a banca tem avançado com alternativas ao modelo base dos depósitos para atrair novos aforradores.

Já é possível arrematar uma taxa, com leilões de depósitos. E há, até, bancos que satisfazem de imediato as necessidades de liquidez dos clientes, entregando-lhes os juros à partida.




São tudo tácticas que os bancos estão a "colocar em campo" para poderem oferecer aplicações que se adequem às poupanças de todos. Têm tido sucesso, a julgar pelos números do Banco de Portugal que, mês a mês, revelam novos recordes nos montantes aplicados pelas famílias junto da banca. No final de Fevereiro, os portugueses tinham 131,3 mil milhões de euros investidos.








A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetaikz94h 04.11.2016

http://costofcymbalta.click/ - cymbalta cost http://buypropranolol.click/ - buy propranolol http://prednisoloneacetate.date/ - prednisolone acetate

Friend of Portugal 30.05.2012

1) Risk is putting your monney in banks that are nearly bancrupt
2)In a country that is nearly bancrupt
3) In banks that invest in companies that are nearly bankrupt
4) In a country that will probably be the next to leave the Euro after Greece.

So investing in Portuguese banks is 1+2+3+4= Very wise
Good article;)

Anónimo 11.05.2012

Melhor que isso é pagar as dívidas ao banco, nomeadamente a casa, que pode chegar a render perto de 6% de TANL. Depósitos a prazo para quê?

Luis 07.05.2012

0% no cofre alugado no cofre do banco, em notas prontas a ir deitando a mão e gastar no que bem entender, antes do sistema estoirar, pelo euro ir à vida, já que é capaz de estar como os perus e não chegar ao Natal

ver mais comentários
pub