Matérias-Primas AIE: Preços do petróleo podem já ter visto o fundo

AIE: Preços do petróleo podem já ter visto o fundo

Os baixos preços da matéria-prima têm levado a cortes na produção fora da OPEP. Um factor que dá força à perspectiva de que as cotações poderão já não voltar a mínimos.
Paulo Moutinho 11 de Março de 2016 às 09:18

A Agência Internacional de Energia (AIE) acredita que os preços do petróleo podem já ter tocado no valor mais baixo, podendo agora começar a valorizar. A descida para os valores mais baixos em mais de uma década levou a fortes cortes na produção a nível mundial, especialmente fora da OPEP. Neste sentido, diz a agência, "há uma luz ao fundo do túnel" para o petróleo.


A produção de petróleo fora da Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP) irá cair em 750 mil barris por dia, este ano, mais 150 mil do que o anteriormente estimado, refere o relatório mensal da AIE. Além disso, há quebras na produção na Nigéria e no Iraque, sendo que o Irão poderá demorar mais tempo do que o previsto para restaurar a sua produção após o levantamento das sanções internacionais.


É nesta base que a AIE prevê que os preços não voltem a tocar os mínimos alcançados já este ano. "Há sinais de que os preços do petróleo terão já visto o fundo", diz o relatório, citado pela Bloomberg. "Para os preços da matéria-prima, poderá haver uma luz ao fundo de um longo e escuro túnel", com o mercado "a fazer a sua magia ao levar a cortes na produção devido aos maiores custos para os produtores".

cotacao Para os preços da matéria-prima, poderá haver uma luz ao fundo de um longo e escuro túnel.  Agência internacional de energia


O barril de petróleo chegou a cotar perto dos 25 dólares nas últimas semanas de Janeiro, altura em que as cotações inverteram a tendência perante tentativas de acordos entre a Arábia Saudita e outros produtores fora da OPEP para congelarem a produção da matéria-prima. Desde então, as cotações registaram valorizações expressivas que levaram os preços a superar a fasquia dos 40 dólares em Londres.

 

O Brent recuperou cerca de 45% desde os mínimos. Só este mês, em duas semanas, a cotação do barril no mercado londrino regista uma valorização de mais de 12%, estando a cotar nos acima dos 40 dólares. O barril segue a valorizar 1,37% para 40,60 dólares, registando a terceira semana consecutiva de ganhos. No mercado norte-americano o West Texas Intermediate está a subir 1,9% para cotar nos 38,56 dólares.


(Notícia actualizada às 9:26 com mais informação sobre o relatório da AIE e as cotações do Brent e WTI)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos 11.03.2016

Se o petróleo continuar a valorização que se espera (é uma questão de tempo), pois os preços praticados estavam no limite do break even, quero ver o que fará ACosta. Acordaremos todos de manhã e seremos surpreendidos por uma baixa do ISP? Não me quer parecer..Até porque mexidas na fiscalidade independentemente do sentido DEVEM SER FEITAS ÁS CLARAS, e com alguma transparência. Não como um assalto na calada da noite levado a cabo por um vulgar criminoso..
A demonstrar transparência o "PM" deveria tornar publico o valor a partir do qual revogaria a atual taxa de ISP!! Acredito que esta medida esteja contemplada no plano Z..Portanto ainda teremos de esperar MUITO..

comentários mais recentes
Aníbal 11.03.2016

O petróleo não conseguirá recuperar. Vai continuar em baixa. E é duvidoso que tenha atingido o seu limite inferior.

AVerVamos 11.03.2016

Se o petróleo continuar a valorização que se espera (é uma questão de tempo), pois os preços praticados estavam no limite do break even, quero ver o que fará ACosta. Acordaremos todos de manhã e seremos surpreendidos por uma baixa do ISP? Não me quer parecer..Até porque mexidas na fiscalidade independentemente do sentido DEVEM SER FEITAS ÁS CLARAS, e com alguma transparência. Não como um assalto na calada da noite levado a cabo por um vulgar criminoso..
A demonstrar transparência o "PM" deveria tornar publico o valor a partir do qual revogaria a atual taxa de ISP!! Acredito que esta medida esteja contemplada no plano Z..Portanto ainda teremos de esperar MUITO..

pub
pub
pub
pub