Matérias-Primas AIE: Excesso de oferta de petróleo é superior ao previsto

AIE: Excesso de oferta de petróleo é superior ao previsto

No primeiro semestre deste ano, o excesso de petróleo no mercado será de 1,75 milhões de barris por dia, estima a AIE. Um excesso que deverá acentuar a queda das cotações.
AIE: Excesso de oferta de petróleo é superior ao previsto
Bloomberg
Raquel Godinho 09 de Fevereiro de 2016 às 11:24

Há um excesso de oferta de petróleo no mercado. E tem sido essa cada vez maior oferta de matéria-prima que tem justificado a queda dos preços do petróleo, que está a negociar em mínimos de 12 anos. Mas, na primeira metade de 2016, o excesso de oferta pode ainda ser mais elevado do que se previa, diz a Agência Internacional de Energia (AIE).


A produção dos 13 países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) aumentou em 280 mil barris por dia, no último mês, para 32,63 milhões de barris, segundo a AIE. Trata-se de quase mais 900 mil barris por dia do que estava definido para este ano. Além disso, o Irão aumentou a produção, em Janeiro, depois do levantamento das sanções internacionais ao país e a produção do Iraque atingiu um recorde.


Com estes dois países, membros da OPEP, a aumentarem a produção, e a procura a abrandar, o excesso de oferta de petróleo a nível mundial deverá superar o que se previa, no primeiro semestre deste ano. As estimativas da AIE apontam para que a oferta supere o consumo em 1,75 milhões de barris diários, em média, neste período. No mês passado, as previsões apontavam para um excesso de 1,5 milhões de barris.


E, "com o mercado já inundado em petróleo, é muito difícil ver como os preços do petróleo podem subir significativamente no curto prazo", refere o relatório mensal da AIE, citado pela Bloomberg. "Nestas condições, o risco para a queda no curto prazo aumentou", acrescentou.


Na semana passada, os preços do petróleo estiveram a recuperar das fortes quedas registadas desde o início do ano, a reflectir a expectativa de que o cartel pudesse chegar a acordo com outros produtores para um corte na produção. Contudo, "a probabilidade de cortes coordenados é muito baixa", considera a AIE.


Por outro lado, a procura deverá continuar baixa face a este excesso de oferta. A AIE reviu em baixa as previsões para a procura a nível mundial no ano passado e em 2016, em cerca de 100 mil barris por dia. Com a perspectiva de abrandamento da China, Europa e Estados Unidos, a procura deverá aumentar em 1,2 milhões de barris por dia, este ano, menos do que o crescimento de 1,6 milhões de barris por dia, atingido em 2015. 

Depois de três dias de quedas, os preços do petróleo estão em alta, esta terça-feira. Em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI) soma 2,29% para os 30,38 dólares por barril. Já o Brent, negociado em Londres, e que serve de referência às importações portuguesas, avança 1,55% para os 
33,39 dólares por barril. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub