Matérias-Primas Janet Yellen pode roubar ainda mais valor ao ouro  

Janet Yellen pode roubar ainda mais valor ao ouro  

Nove sessões consecutivas de quedas que já roubam 70 dólares à onça de ouro. Esta é a reacção dos investidores, desde que a Fed sinalizou que poderá voltar a subir os juros já em Junho. Mas Janet Yellen pode ofuscar ainda mais o brilho do metal precioso.
Janet Yellen pode roubar ainda mais valor ao ouro  
André Tanque Jesus 30 de maio de 2016 às 21:00

A Reserva Federal dos EUA (Fed) surpreendeu ao revelar que poderá voltar a subir os juros já em Junho. Uma perspectiva avançada nas minutas, publicadas a 18 de Maio. Desde então, o ouro só saber perder valor. Vai na nona sessão de quedas consecutivas, que roubaram um total de 70 dólares à cotação do metal precioso. E os analistas defendem que a expectativa é que as quedas não fiquem por aqui.

 

Num golpe de surpresa, a Fed revelou que a subida da sua taxa de juro de referência poderá ser decidida na reunião de 14 e 15 de Junho. As probabilidades implícitas no mercado de futuros dispararam e o ouro afundou. Perdeu 1,60% para 1.258,5 dólares por onça. E ouro continuou a cair até que, na passada sexta-feira, Janet Yellen reforçou a perspectiva de subida dos juros. Resultado? Desvalorizou 0,61%, uma tendência que manteve na segunda-feira, 30 de Maio, na qual deslizou 0,38% para 1.207,77 dólares.

 

De facto esta é já a nona sessão consecutiva de quedas para o ouro. Uma série de desempenhos negativos que já roubou 7,57% ao metal, ou seja, 71,18 dólares. "Uma Fed mais optimista representa riscos de curto prazo para o ouro, através do impacto nas taxas de juro reais", explica Joni Teves. Para o estratego do UBS, "a extensão e a sustentabilidade da subida das taxas de juro reais será um factor-chave". Isto porque, aponta o especialista, "uma subida significativa e sustentada é uma ameaça significativa ao ouro". Ainda assim, aponta que "o ouro é um activo atractivo para diversificação e cobertura contra riscos macroeconómicos".

 

Mais pessimistas estão os especialistas do Commerzbank. "O ouro pode ainda cair mais 50 dólares", acredita a equipa liderada por Eugen Weinberg, justificando que "os investidores especulativos, em particular, estão a recuar nas suas posições em ouro". É que as posições longas líquidas no metal precioso recuaram em 56 mil contractos para apenas 156.500. "Esta foi a queda semanal mais acentuada desde o início da série de dados, que remonta há dez anos", acrescentam. Ainda assim, acreditam que o ouro deverá fechar o ano nos 1.250 dólares.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
José Amílcar Casimiro Há 3 semanas

Quando os Americanos tiverem que pagar aquela dívida quero ver..

Anónimo Há 3 semanas

Como e possivel o estado pagar uma taxa de juros Sobre a monstruosa divida de mais de 3%,e ao depositos nacionais paga menos de metade?Sonhador,sonhador andas a meter os pes pela cabeca.Quando nos metemos no dificil acabamos por estragar o facil.

Anónimo Há 3 semanas

Duma coisa temos de estar de acordo:quanto mais baixos os juros estiverem,menos depositos os bancos tem dos nacionais.Ir buscar dinheiro barato ou ate com juros negativos,sai muito mais caro aos bancos do que terem as poupancas nacionais.MORTE A IDEIA DRAGHI.

Pedro Ribeiro Há 3 semanas

O ouro não se compra para vender ao fim de alguns dias ou meses...compra-se como investimento a longo prazo.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub