Matérias-Primas Se o petróleo subir, "Governo está disponível para aliviar tributação" nos combustíveis

Se o petróleo subir, "Governo está disponível para aliviar tributação" nos combustíveis

O Orçamento do Estado vai trazer um aumento de seis cêntimos por litro no ISP, mas Mário Centeno admite reverter a subida caso o preço do petróleo recupere nos mercados internacionais.
Se o petróleo subir, "Governo está disponível para aliviar tributação" nos combustíveis

O Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) vai aumentar até mais do que aquilo que tinha sido anunciado. Vai subir em seis cêntimos, gerando uma receita mais elevada para o Estado, mas o ministro das Finanças admite que pode baixar a carga fiscal caso os preços do petróleo, em mínimos de 12 anos, recuperem.


"O governo está disponível para aliviar esta tributação se o petróleo subir", disse Mário Centeno, ministro das Finanças, durante a conferência de imprensa de apresentação da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2016 que foi entregue esta sexta-feira, 5 de Fevereiro, no Parlamento.


Isto porque, disse Mário Centeno, "quando o preço dos combustíveis, sobe a receita fiscal via IVA sobe". Esta posição, depois de revelado um aumento de seis cêntimos no ISP, revela que a medida é vista como uma medida temporária para a obtenção de receita. Mas não foi isso que o Governo disse a Bruxelas.


As Finanças estão a encarar a subida do ISP, do Imposto sobre o Tabaco e do Imposto de Selo como definitivas
. E que essa era uma condição para que a receita conte para o cálculo do ajustamento estrutural das contas públicas.


"Corrigir perda" de receita


"O Orçamento do Estado pressupõe um aumento de 6 cêntimos por litro no imposto aplicável à gasolina sem chumbo e ao gasóleo rodoviário", refere a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2016 entregue esta sexta-feira, 5 de Fevereiro, no Parlamento.


Este aumento visa "corrigir a perda de receita fiscal resultante da diminuição da cotação internacional e tendo em consideração os impactos negativos adicionais ao nível ambiental e no volume das importações nacionais causados pelo aumento do consumo promovido pela redução do preço de venda ao público", nota o documento.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
canos 06.02.2016

para os apoiantes da esquerdalha este aumento devia ser a dobrar.cambada de mentirosos.deviam era por o tubo pelo recto acima para depois saltares e gritarem costa.jeronimo e a esganiçada.

pub
pub
pub
pub