Petróleo Balanço de 2015: O ano em que o petróleo quebrou os 50 dólares

Balanço de 2015: O ano em que o petróleo quebrou os 50 dólares

Os preços do crude registaram uma forte queda no cômputo de 2015, muito à conta do excesso de oferta nos mercados internacionais.
Balanço de 2015: O ano em que o petróleo quebrou os 50 dólares
Bloomberg
Carla Pedro 31 de dezembro de 2015 às 16:38

O crude de referência norte-americano, West Texas Intermediate (WTI), caiu 30,8% no acumulado do ano. Já o Brent do Mar do Norte, negociado em Londres e "benchmark" para a Europa, cedeu 35,5&%. Isto depois de já em 2014 terem estabelecido também saldos negativos.

O ano de 2015 já se adivinhava difícil para a energia. Logo em Janeiro, tanto o WTI como o Brent quebraram a fasquia dos 50 dólares por barril, o que não acontecia desde Abril de 2009. E a derrocada prosseguiu durante todo o ano. 


A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) tem insistido em não reduzir a sua produção, numa tentativa de travar o ímpeto dos produtores norte-americanos na exploração de petróleo a partir de xisto betuminoso, uma vez que os baixos preços inviabilizam muitos destes dispendiosos projectos. Mas os EUA, apesar de um recuo na produção, mantiveram-se bastante activos em 2015 e os inventários semanais cresceram semana após semana, o que castigou fortemente o "ouro negro".


A par com esta produção crescente, a que um Irão pós-sanções se está a juntar, temos a diminuição da procura - situação que tem exacerbado o excedente de oferta mundial desta matéria-prima.

As reservas mundiais de crude atingiram mesmo níveis recorde, segundo os dados da Agência Internacional da Energia (AIE) revelados em Novembro. O que não ajudou a aliviar a pressão baixista nos mercados - muito pelo contrário.  




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Brandilyn 01.12.2016

This post has helped me think things thrugoh

Missi 01.12.2016

Neu und ohne Internet im gewählten Heim in der Stadt und gleich am ersten Wochenende krank. Ohne Smartphone hätte ich abends weder Arzt noch eine Beetttschafrsapoiheke gefunden.

Helder, o Fagote Há 3 semanas

Para mim foi igual. Levei no pacote forte e feio do São Veríssimo ;)

Fred Raposo Há 3 semanas

Quero cú e MUITO!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub