Petróleo Petrochina prevê queda de 70% dos lucros devido ao colapso do petróleo  

Petrochina prevê queda de 70% dos lucros devido ao colapso do petróleo  

A Petrochina, a maior petrolífera chinesa, anunciou que deverá registar uma queda entre 60 a 70% dos lucros, em 2015, devido à queda acentuada dos preços do petróleo.
Petrochina prevê queda de 70% dos lucros devido ao colapso do petróleo  
Bloomberg
Vera Ramalhete 29 de Janeiro de 2016 às 14:09

A queda dos preços do petróleo está a afundar as receitas das petrolíferas. No caso da Petrochina, a empresa chinesa espera registar uma quebra até 70% dos lucros em 2015, face aos 107,2 mil milhões de yuan (15 mil milhões de dólares) alcançados no ano anterior.

"De acordo com as estimativas preliminares dos resultados de 2015 da empresa, o resultado líquido atribuível aos accionistas deverá cair em 60% a 70% face ao período homólogo", declarou a empresa, num comunicado, enviado ao regulador.

A Petrochina anunciou que irá reduzir custos, para enfrentar a continuação da queda dos preços da matéria-prima. "O foco agora é ver o que a Petrochina consegue fazer para enfrentar os preços baixos, em termos de cortes de custos e controlo das despesas em 2016", disse Neil Beveridge, analista da Sanford C. Bernstein & Co, à Bloomberg. As acções da empresa subiram 4,2% para 4,75 dólares de Hong Kong, antes do anúncio da empresa.

Os preços do petróleo, que recuaram 35% em 2015, estão esta sexta-feira a valorizar mais de 1%, com a expectativa de um acordo entre a Rússia e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para cortar a produção, aliviando o excedente no mercado. O Brent, negociado em Londres, está a subir 1,21% para 34,30 dólares por barril. O West Texas Intermediate (WTI) sobe 1,29% para 33,35 dólares.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub