Petróleo Venezuela quer petróleo no "preço justo" de 70 dólares

Venezuela quer petróleo no "preço justo" de 70 dólares

O ministro venezuelano do Petróleo, Eulógio del Pino, vai visitar a Rússia, o Qatar, o Irão e a Arábia Saudita, para promover "preços justos" do petróleo, que, segundo a Venezuela deverá ser de 70 dólares o barril.
Venezuela quer petróleo no "preço justo" de 70 dólares
Lusa 30 de Janeiro de 2016 às 19:37

"São quatro países chave com os quais nos reuniremos, como parte da proposta formal que fez a Venezuela às nações da OPEP e não OPEP", anunciou o próprio.

 

O anúncio da visita foi feito durante uma conferência de imprensa na sede da estatal Petróleos da Venezuela SA (Pdvsa), em La Campiña, Caracas, durante a qual vincou que nos últimos dias o preço do petróleo subiu entre quatro e cinco dólares.

 

"O consenso implicou a recuperação do crude na ordem de quatro a cinco dólares, (mas) o preço do petróleo está muito abaixo do equilíbrio económico para produtores e consumidores", disse.

 

Eulógio del Pino, que também é presidente da Pdvsa, explicou que a Venezuela está a fazer uma "importante chamada de atenção" aos países membros e não membros da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para elaborar "um mecanismo de conciliação, necessário entre todos os produtores".

 

Por outro lado, precisou que no dia 4 de fevereiro se reunirá com o homólogo russo Alexander Novak e que no dia 05 de fevereiro terá um encontro com os principais produtores de petróleo da Rússia.

 

Durante a visita, Eulógio del Pino prevê reunir-se ainda com Mohammed al-Sada, presidente da OPEP e ministro de Energia do Qatar, antes de visitar o Irão e a Arábia Saudita.

Segundo o Presidente Nicolás Maduro, o petróleo venezuelano cotou-se na sexta-feira em 24,60 dólares, o valor "mais alto do ano".

 

O petróleo é a principal fonte de receitas da Venezuela, país onde foi declarada uma "emergência económica".




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy 31.01.2016

...lol...
...preço justo!...
...há cada maluco!...
...se há excedente de oferta o que é que o homem quer fazer?...

Anónimo 30.01.2016

O petroleo compara-se a uma prostituta,quando passa o tempo tem de viver do que fez.Um precavido vale por dois,assim diz o velho ditado.

paulito_iluminado 30.01.2016

Será que este iluminado nao percebe que isto é uma manobra para dar o estouro ao Kremlim?

Anónimo 30.01.2016

Enquanto o petróleo esteve em alta esta Venezuela e o seu Maduro viveram e levaram vida de Srs. Agora o preço é menos convidativo ai Jesus credo. Deixem de consumir aquilo que não têm.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub