Mercados num minuto Abertura dos mercados: Bolsas descem, euro sobe e petróleo alivia de máximos

Abertura dos mercados: Bolsas descem, euro sobe e petróleo alivia de máximos

A maioria das bolsas europeias está em queda, numa altura em que o euro está a recuperar terreno face ao dólar, e o petróleo de Londres cai de máximos de Abril.
Abertura dos mercados: Bolsas descem, euro sobe e petróleo alivia de máximos
Bloomberg
Rita Faria 14 de setembro de 2017 às 09:21

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,01% para 5.169,16 pontos

Stoxx 600 perde 0,11% para 380,92 pontos

Nikkei desvalorizou 0,29% para 19.807,44 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 0,3 pontos para 2,820%

Euro ganha 0,15% para 1,1903 dólares

Petróleo em Londres desce 0,25% para 55,02 dólares

Bolsas europeias em queda com dados da China
A maioria dos índices europeus está a negociar em queda esta quinta-feira, 14 de Setembro, depois de terem sido divulgados dados sobre a indústria, vendas a retalho e investimento na China que sugerem um abrandamento do crescimento da segunda maior economia do mundo.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, perde 0,11% para 380,92 pontos, numa altura em que o euro está em alta, contribuindo para a desvalorização das acções do Velho Continente.

Em Lisboa, o PSI-20 sobe 0,01% para 5.169,16 pontos, com a subida da Galp Energia a compensar a queda do BCP. A petrolífera soma 0,96% para 14,235 euros, enquanto o banco liderado por Nuno Amado recua 0,70% para 21,23 cêntimos.  

Juros em alta ligeira  
Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão a registar uma subida ligeira de 0,3 pontos para 2,820%, depois de o Tesouro ter conseguido um juro de 2,785% para emitir 850 milhões de euros em Obrigações do Tesouro com maturidade em Abril de 2027. Foi a taxa mais baixa em leilões neste prazo desde Novembro de 2015, mas o valor colocado ficou abaixo do intervalo máximo do montante indicativo para a operação, que era de entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.


A tendência estende-se à generalidade dos países do euro, com os juros das obrigações da Alemanha a avançarem 0,8 pontos para 0,409% e de Espanha a subirem 1,2 pontos para 1,592%.

Euro recupera
A moeda única europeia está a valorizar 0,15% para 1,1903 dólares, recuperando da descida de 0,7% registada na sessão de ontem, depois de um membro do BCE ter defendido a manutenção dos estímulos à economia, numa altura em que a recuperação da economia não está a impulsionar os preços.


"Estamos, sem dúvida, a assistir a uma recuperação económica sólida, ampla e resiliente (…) mas persiste uma aparente desconexão entre o crescimento e a inflação", disse Peter Praet, num discurso em Frankfurt na quarta-feira.

Brent em queda ligeira após máximos de Abril
O petróleo segue em queda ligeira nos mercados internacionais depois de ter atingido máximos de cinco meses, em Londres, na sessão de ontem. O Brent chegou a tocar nos 55,21 dólares – o valor mais alto desde Abril – sustentado pelas estimativas da Agência Internacional de Energia, que antecipa, para 2017, o maior aumento da procura por esta matéria-prima dos últimos dois anos.

Também a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reviu em alta as suas estimativas para a procura em 2018, devido às perspectivas de maior consumo na Europa e na China.

Nesta altura, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, cai 0,14% para 49,23 dólares, enquanto o Brent desce 0,25% para 55,02 dólares, depois de três sessões consecutivas de ganhos.

Ouro perde brilho pela segunda sessão
O metal amarelo está a perder terreno pela segunda sessão consecutiva, seguindo em contraciclo com a alta do dólar e os máximos das acções norte-americanas.

Isto numa altura em que os investidores aguardam pela divulgação dos dados da inflação nos Estados Unidos em Agosto para obterem pistas sobre o ritmo da subida dos juros nos Estados Unidos.  Os economistas consultados pela Bloomberg antecipam uma taxa de inflação homóloga de 1,8% (contra 1,7% no mês anterior] – aproximando-se assim mais da meta definida pela Fed, que é de 2%. 

O ouro cai 0,10% para 1.321,78 dólares, enquanto a prata recua 0,37% para 17,7105 dólares. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub