Mercados num minuto Abertura dos mercados: Cessar-fogo na guerra comercial deixa bolsas próximas de máximos de Junho

Abertura dos mercados: Cessar-fogo na guerra comercial deixa bolsas próximas de máximos de Junho

As bolsas europeias estão a ser animadas sobretudo pelo sector automóvel, depois das tréguas na guerra comercial anunciadas pelos Estados Unidos e UE. O euro cai e os juros sobem antes do BCE.
Abertura dos mercados: Cessar-fogo na guerra comercial deixa bolsas próximas de máximos de Junho
Reuters
Rita Faria 26 de julho de 2018 às 09:17

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,36% para 5.600,55 pontos

Stoxx 600 ganha 0,40% para 388,73 pontos

Nikkei desvalorizou 0,12% para 22.586,87 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 1,2 pontos base para 1,746%

Euro recua 0,04% para 1,1724 dólares

Petróleo em Londres sobe 1,01% para 74,68 dólares o barril

 

Sector automóvel impulsiona bolsas europeias

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta quinta-feira, 26 de Julho, animadas pelas tréguas na disputa comercial entre os Estados Unidos e a União Europeia. Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, e Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, anunciaram ontem, após uma reunião em Washington, que vão dar início a negociações no sentido de reduzir as barreiras comerciais entre as duas regiões.

 

Enquanto decorrerem essas negociações, fica em "stand-by" o agravamento das tarifas dos Estados Unidos sobre as importações de automóveis europeus, o que está a animar o sector. O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,40% para 388,73 pontos, impulsionado sobretudo pela subida superior a 1,5% da indústria automóvel. O Stoxx600 já tocou, esta manhã, nos 389,27 pontos, um valor próximo de máximos de 15 de Junho. 

 

Lisboa contraria a tendência, com o PSI-20 a deslizar 0,36% para 5.600,55 pontos, penalizado sobretudo pela Jerónimo Martins. A retalhista cai 4,03% para 12,755 euros, depois de ter revelado que os seus lucros subiram 3,9% no primeiro semestre para 180 milhões de euros, um valor abaixo do esperado pelos analistas do BPI.

 

Juros em alta ligeira na Europa

Os juros da dívida portuguesa estão em alta ligeira, acompanhando a tendência da generalidade dos países do euro. A yield associada às obrigações portuguesas a dez anos sobe 1,2 pontos base para 1,746%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, o aumento é de 1,4 pontos para 1,365%. Em Itália, os juros avançam 2,4 pontos para 2,702% e na Alemanha sobem 1,4 pontos para 0,410%.

 

Euro desce antes do BCE

A moeda única europeia está a negociar em baixa ligeira face ao dólar, antes da reunião do Banco Central Europeu (BCE) desta quinta-feira, que será seguida pela habitual conferência de imprensa do seu presidente, Mario Draghi. A instituição deverá deixar as suas taxas de juro e a sua política de estímulos inalteradas.

Actualmente a taxa de referência está em 0% e a expectativa é que a entidade liderada por Mario Draghi anuncie a primeira subida de juros apenas na segunda metade de 2019.

 

O euro cai 0,04% para 1,1724 dólares, enquanto a divisa norte-americana também está em baixa ligeira face às principais congéneres pela terceira sessão consecutiva.

 

Petróleo sobe após ataque a navios sauditas

O petróleo está a negociar em alta nos mercados internacionais, depois de rebeldes houthis terem atacado navios petroleiros da Arábia Saudita levando o maior produtor da OPEP a suspender os fornecimentos através do estreito Bab el-Mandeb. A impulsionar a matéria-prima estão ainda os dados que mostram que as reservas de crude dos Estados Unidos desceram, na semana passada, para o nível mais baixo desde 2015.

 

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 0,33% para 69,53 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, avança 1,02% para 74,68 dólares.

 

Ouro desce com aumento do apetite pelo risco

O metal amarelo está a negociar com sinal vermelho, numa altura em que as tréguas na guerra comercial estão a levar os investidores a favorecer os activos mais arriscados e a afastar-se de valores refúgio, como é o caso do ouro.

 

O ouro desce 0,33% para 1.227,61 dólares enquanto a prata desliza 0,52% para 15,5294 dólares.




pub