Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas mistas e petróleo em queda na última sessão da semana

Fecho dos mercados: Bolsas mistas e petróleo em queda na última sessão da semana

As bolsas europeias encerraram sem uma tendência definida, numa sessão marcada pela queda do petróleo e a descida da libra. Depois do efeito BCE, os juros subiram nos países do euro.
Fecho dos mercados: Bolsas mistas e petróleo em queda na última sessão da semana
Bloomberg
Rita Faria 17 de fevereiro de 2017 às 17:25

Os mercados em números

PSI-20 somou 0,26% para 4.640,85 pontos

Stoxx 600 ganhou 0,03% para 370,22 pontos

S&P 500 desce 0,24% para 2.341,51 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos subiram 2,6 pontos para 4,008%

Euro recua 0,5% para 1,0620 euros

Petróleo desce 0,43% para 55,42 dólares por barril em Londres

Bolsas europeias fecham semana sem tendência definida

As bolsas europeias fecharam sem uma tendência definida esta sexta-feira, 17 de Fevereiro, com os principais índices divididos entre ganhos e perdas. As descidas foram motivadas sobretudo pela queda dos preços do petróleo e dos metais industriais enquanto os ganhos derivaram sobretudo da subida da Unilever, depois de ter rejeitado a proposta de compra da Kraft Heinz.

 

Por cá, o PSI-20 somou 0,26% para 4.640,85 pontos, impulsionado pelo BCP. O banco liderado por Nuno Amado valorizou 2,44% para 15,1 cêntimos. A contribuir para os ganhos estiveram ainda a Nos, com uma subida de 1,13% para 5,381 euros, e a Jerónimo Martins, que somou 0,44% para 16,14 euros.

Juros de Portugal acima de 4%
Os juros da dívida pública portuguesa subiram em todas as maturidades depois de terem registado fortes descidas na sessão de ontem. As descidas foram motivadas pelos relatos da última reunião do BCE, em que o banco central se mostrou disponível para flexibilizar a aplicação de algumas regras que condicionam a compra de obrigações no âmbito do alívio quantitativo.

 

Esta sexta-feira, os juros da dívida portuguesa a dez anos subiram 2,6 pontos para 4,008%. Em Espanha, agravaram-se em 2,9 pontos para 1,632% e em Itália em 3,2 pontos para 2,188%.

 

Euribor bate novos mínimos a nove e 12 meses

As taxas Euribor bateram hoje novos mínimos a nove e 12 meses (-0,169% e -0,109%, respectivamente), caíram a três meses (-0,329%) para o actual valor mais baixo e mantiveram-se a seis meses (-0,239%).          

Vendas a retalho penalizam libra

A libra britânica está a perder 0,56% para 1,2419 dólares, depois de ter sido revelado que as vendas a retalho no Reino Unido desceram, em Janeiro, pelo terceiro mês consecutivo. No primeiro mês deste ano, as vendas a retalho desceram 0,3% face ao mês anterior, um resultado que contrariou as estimativas dos analistas, que esperavam uma subida de 0,9%.

 

A pesar no desempenho da moeda do Reino Unido está ainda o Brexit, numa altura em que os termos da saída do país da União Europeia continuam incertos. Ontem, duas fontes do Governo de May avançaram que a primeira-ministra pretende invocar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa já no início de Março.

 

Tony Blair, antigo chefe do Executivo mostrou-se hoje muito crítico da posição de May, acusando o seu Governo de querer um Brexit "a qualquer custo".

 

Reservas continuam a pressionar petróleo

Os preços do petróleo estão em queda nos mercados internacionais, penalizados pela subida das reservas nos Estados Unidos. O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, desce 0,64% para 53,02 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, cai 0,4% para 55,43 dólares.

 

Segundo a Bloomberg, a matéria-prima prepara-se para completar, esta sexta-feira, a semana mais estável, ao nível dos preços, dos últimos 13 anos.

Ouro praticamente inalterado

O ouro está praticamente inalterado, depois de três sessões consecutivas de ganhos, em que esteve a beneficiar das incertezas em torno da situação política na Europa, particularmente em França, que realiza eleições presidenciais em Abril, e do impacto das políticas do presidente norte-americano Donald Trump.

 

O ouro desce 0,03% para 1.238,81 dólares por onça, enquanto a prata desliza 0,21% para 18,0608 dólares. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Petroleo em queda, proxima semana aumento de gasosa,vamos lá entender, é demais para minha cabeça.Assim a Mota engil não pega, como é que uma Mota pode funcionar com gasosa tão cara ? Esta Mota (ENGIL) Sempre c/ pneus furados e avariada, açoes descambam, miseria de empresa. Pagam aos funcionários?

pub
pub
pub
pub