Mercados num minuto Fecho dos mercados: Juros da dívida portuguesa em máximos de mais de dois meses e ouro cai há cinco meses

Fecho dos mercados: Juros da dívida portuguesa em máximos de mais de dois meses e ouro cai há cinco meses

Os juros da dívida nacional para a maturidade de referência agravaram-se. O ouro também não consegue resultados positivos no balanço do mês e conclui o maior ciclo de quebras em cinco anos.
Fecho dos mercados: Juros da dívida portuguesa em máximos de mais de dois meses e ouro cai há cinco meses
Ana Batalha Oliveira 31 de agosto de 2018 às 17:31

Os mercados em números

PSI-20 deslizou 0,73% para 5.422,58 pontos

Stoxx 600 desceu 0,80% para os 382,26 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal subiram 1,3 pontos base para os 1,933%

Euro recua 0,65% para os 1,1595 dólares

Petróleo cai 0,53% para os 77,36 dólares por barril em Londres

 

Tarifas automóveis travam Europa

O Stoxx600, o principal agregador europeu, notou quebras de 0,80% para os 382,26 pontos, espelhando a mesma tendência de quebra verificada nas principais praças. O sector automóvel destaca-se pela negativa no índice ao perder 1,63%, depois de Trump ter classificado a proposta de alívio das tarifas automóveis avançada pela Europa como "insuficiente". Mas estas não são as únicas cotadas europeias a sofrer fortes perdas: telecomunicações, petróleo e gás, matérias-primas, indústria química também descem acima de 1%.

 

Por cá, o PSI-20 deslizou 0,73% para 5.422,58 pontos, com as cotadas BCP e Galp Energia a serem as que mais contribuíram para o recuo. O banco liderado por Miguel Maya caiu 0,95% para 25,08 cêntimos, enquanto a petrolífera desvalorizou 1,91% para 17,47 euros.

 

Juros da dívida portuguesa em pico de mais de dois meses

Os juros da dívida portuguesa a dez anos fecharam a subir 0,5 pontos base para 1,925%. Contudo, durante a sessão chegaram a subir 1,3 pontos base para os 1,933%, um máximo de 15 de Junho. Esta valorização significa que a taxa de juro sobre estas obrigações está em trajectória ascendente há oito sessões consecutivas. Na Alemanha a tendência é a inversa, com os juros das obrigações a descerem 1,9 pontos base para os 0,327%.

 

Euribor a três meses inalterada há 25 sessões

A taxa Euribor a nove meses caiu hoje, enquanto as restantes ficaram inalteradas, com destaque para a de três meses, que se mantém há 25 sessões consecutivas. A taxa Euribor a seis meses manteve-se hoje nos -0,268%. A Euribor a três meses continuou hoje a ser fixada, pela vigésima quinta sessão consecutiva, em -0,319%. A taxa Euribor a nove meses, desceu para -0,208%, face aos -0,207% registados na sessão anterior. No prazo a 12 meses, a taxa Euribor manteve-se nos 0,166%.

 

Euro afunda com tampa de Trump

A moeda única europeia cede 0,65% para os 1,1595 dólares, numa altura em que o presidente norte-americano não mostra flexibilidade em relação às tarifas comerciais com a Europa. Depois de a Comissão ter mostrado disponibilidade para acabar com as taxas aduaneiras, o chefe de Estado norte-americano frisou que a proposta "não é suficientemente boa".

 

Sauditas abalam petróleo mas "ouro negro" vence no mês

O barril de Brent, referência para a Europa, está a cair 0,53% para os 77,36 dólares, depois de a Arábia Saudita ter anunciado que a produção teria aumentado em Agosto em relação a Julho. Contudo, a olhar para o desempenho no mês, os contractos futuros em Londres subiram 4,5%, o maior ganho mensal desde Abril.

 

Ouro com maior ciclo de quedas mensais em cinco anos

O ouro está valorizar 0,10% para os dólares por tonelada, mas o registo mensal fica-se pelo negativo e cai 1,5% em Agosto. O metal amarelo pinta-se de vermelho pelo quinto mês consecutivo, o que fecha o maior ciclo de quedas mensais em meia década. A subida do dólar, um activo de refúgio alternativo ao metal precioso, está por detrás desta tendência.   




pub