Obrigações Balanço de 2015: O ano dos mínimos históricos nos juros da dívida

Balanço de 2015: O ano dos mínimos históricos nos juros da dívida

Após as fortes quedas entre 2012 e 2014, os juros da dívida portuguesa voltaram a recuar este ano. Caíram, caíram até registarem mínimos históricos em todas as maturidades. Houve mesmo "yields" a cair para "terreno" negativo, numa tendência liderada pela Alemanha.
Balanço de 2015: O ano dos mínimos históricos nos juros da dívida
André Tanque Jesus 31 de dezembro de 2015 às 16:06

O Banco Central Europeu arrancou o ano com o anúncio do programa de compra de activos do sector público. Uma medida há muito aguardada, que os investidores receberam com entusiamo. Isso mesmo reflectiram várias classes de activos, mas foi a dívida soberana que dominou todas as atenções. As taxas de juro atingiram mínimos históricos e, em muitos casos, chegaram mesmo a "terreno" negativo.

Após ter tocado num máximo de 18,289% em 2012, Portugal entrou em 2015 com a "yield" das obrigações a 10 anos em 2,687%. Mas a actuação da instituição monetária liderada por Mario Draghi (na foto) levou os juros a recuarem ainda mais. A 12 de Março, a taxa de juro atingiu um mínimo de 1,509%.

Este foi mesmo o ano dos valores mais baixos de sempre em todas as maturidades. De tal forma que Portugal chegou mesmo a registar juros negativos nos títulos a dois anos. Atingiram um mínimo de -0,017%. O Tesouro avançou, então, para os reembolsos antecipados ao FMI, tendo pago mais de oito mil milhões de euros só este ano. Já o segundo semestre trouxe subidas, mas a tendência de juros baixos manteve-se. A taxa a 10 anos saiu de 2015 nos 2,516%.

E estes desempenhos reflectiram-se nas emissões de dívida de curto prazo. O Tesouro conseguiu mesmo ganhar cerca de 150 mil euros este ano, com os investidores a aceitarem pagar para emprestar dinheiro a Portugal. Mas o efeito dos estímulos do BCE foi mais significativo na dívida dos países do centro da Europa. Com as finanças públicas equilibradas, como é o exemplo da Alemanha, estes países até conseguiram colocar obrigações com taxas negativas.

Mas mais uma vez o extremo esteve no mercado secundário. Os juros das obrigações alemãs a dois anos caíram para valores negativos. Seguiram-se os títulos a três anos, depois a quatro e assim sucessivamente até que, de forma inédita, os investidores aceitaram ter prejuízo para deter dívida do país durante nove anos. Esta "yield" atingiu um mínimo de 0,049%.

Estes valores não duraram todo o ano, mas a tendência mantém-se à entrada de 2016. Pelo que, mais uma vez, a estratégia dos Tesouros da Zona Euro deverá passar por elevadas emissões de dívida, prolongando maturidades a custos mais baixos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Elora 09.03.2017

Why do I bother canllig up people when I can just read this!

Denim 01.12.2016

A plesginaly rational answer. Good to hear from you.

Anónimo 31.12.2015

Que mais terao de fazer para a divida descer.Todos querem governar,sao todos melhores uns que os outros,mas este e o verdadeiro barometro das nossas competencias.Fraquinhos,estreitos de ancas.

pub
pub
pub
pub