Obrigações Moody’s: Compra da Media Capital com impacto mínimo na dívida da Altice

Moody’s: Compra da Media Capital com impacto mínimo na dívida da Altice

A Moody’s estima que a compra da Media Capital leve a uma subida ligeira do rácio de endividamento da Altice. Parte da aquisição deverá ser financiada através de uma linha de crédito ‘revolving’.
Moody’s: Compra da Media Capital com impacto mínimo na dívida da Altice
Miguel Baltazar
Rui Barroso 17 de julho de 2017 às 13:50

Os analistas da Moody’s estimam que a compra da Media Capital por 440 milhões de euros tenha um impacto "moderado" nos rácios de endividamento da Altice. E esperam que o impacto "marginal" no rácio de alavancagem seja compensado "pela melhoria do perfil do negócio".

"Esperamos que a aquisição seja financiada pela combinação de capitais próprios e de recurso a uma facilidade de crédito ‘revolving’ da Altice Internacional", refere Colin Vittery, analista da Moody’s que acompanha a Altice, numa nota divulgada esta segunda-feira, 17 de Julho. A perspectiva é que 200 milhões dos fundos para a compra sejam obtidas através da linha de financiamento ‘revolving’ e 240 milhões através de capitais próprios, "levando a uma subida moderada" da alavancagem da empresa.

Em termos ajustados, a Moody’s estima que após a operação o rácio de alavancagem suba de 4,5 para 4,6 vezes, algo que considera "marginal" e que será "compensado pela melhoria do perfil de negócio".

Aquisição em linha com estratégia. Mas há riscos de execução

A Moody’s realça que a compra da Media Capital "está em linha com a sua estratégia de desenvolver uma oferta convergente de media e telecomunicações nos seus mercados principais, como Portugal". A agência espera que o negócio de capital seja integrado na Portugal Telecom. Mas realça que "a extensão desta integração não é ainda clara e há riscos de integração associados a esta operação".

Apesar desses riscos, a agência nota que este passo da Altice representa "uma abordagem consistente" ao negócio em Portugal já que servirá para "fornecer conteúdos adicionais para apoiar a marca Meo" e soma-se à compra de uma plataforma de publicidade on-line anunciada em Março de 2017.

Preço em linha com operações comparáveis

Em relação aos múltiplos de avaliação implícitos no preço pago pela Altice, a Moody’s defende que "estão em linha com transacções comparáveis". Sublinha que a transacção foi feita a 10,6 vezes o EBITDA de 2016. A agência notou que a Altice não antecipa constrangimentos na compra das posições minoritárias de 5,3% dispersas em bolsa e tem como cenário base que a transacção fique concluída no quarto trimestre deste ano.

A Moody’s tem um "rating" de B1, quarto nível de "lixo" para a Altice International com perspectiva estável. A agência antecipa que a compra seja feita através desta entidade do grupo Altice NV.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.07.2017

Claro que menos de meio milhão de euros comparativamente com 50 mil milhões de dívida são peanuts... só é pena que para a manutenção de redundância nas redes de comunicações de emergência não haja dinheiro... O parlamento tem de ver como estamos em termos de segurança com o datacenter da Covilhã!

pub
pub
pub
pub