Obrigações Moody’s mantém “ratings” do Novo Banco sob revisão

Moody’s mantém “ratings” do Novo Banco sob revisão

A agência de notação financeira Moody’s decidiu manter sob revisão os “ratings” da dívida do Novo Banco, que poderão sofrer mais descidas.
Moody’s mantém “ratings” do Novo Banco sob revisão
Bloomberg
Negócios 19 de junho de 2017 às 13:51

O processo de revisão foi iniciado a 5 de Abril, depois do anúncio feito pelo Banco de Portugal no final de Março de que, como parte do processo de venda da instituição, iria ser feito um exercício de gestão dos passivos junto dos obrigacionistas seniores com o objectivo de recapitalizar o banco em pelo menos 500 milhões de euros.

 

Nessa altura, devido à expectativa que a operação provoque perdas para os detentores desses títulos, a Moody’s cortou  o "rating" da dívida sénior de longo prazo do banco em um nível para Caa2 enquanto o rating de depósito ficou em Caa1, ambos sob vigilância negativa. Também a notação que mede a solidez intrínseca do Novo Banco baixou em dois níveis para "ca", nível em que a Moody’s o decidiu manter.

 

Na nota divulgada esta segunda-feira, 19 de Junho, a agência de notação financeira explica que a extensão da revisão reflecte o facto de a troca de dívida sénior do Novo Banco por novos títulos perpétuos ainda estar em processo de definição e implementação.

 

Nesse sentido, a Moody’s espera concluir a avaliação assim que tenha mais informações sobre o processo, que é um requisito que tem de ser cumprido antes de a Lone Star concluir a aquisição de uma participação maioritária no Novo Banco.

 

Se a troca de dívida não for bem-sucedida, "há um risco acrescido de resolução ou liquidação para o banco com consequentes perdas para credores", sublinha a agência de notação financeira.

 

A Moody’s refere ainda que dado o nível já baixo do rating que mede a solidez intrínseca do Novo Banco, a margem para mais descidas é limitada. Contudo, isso poderá acontecer se a troca de dívida não for bem-sucedida, o que significaria a falha do processo de venda do Novo Banco.

 

"Em tais circunstâncias, é muito provável que o Fundo de Resolução coloque o banco num processo de resolução ou liquidação. Esta ou outra perspectiva de perdas maiores do que o esperado em dívida ou depósitos resultariam provavelmente em ratings mais baixos", segundo a Moody’s.

 

Pelo contrário, o rating poderá ser elevado se o banco concluir o processo com êxito e demonstrar que a sua solvência foi substancialmente melhorada após a venda à Lone Star sem a possibilidade de novas perdas para os credores. Uma mudança positiva a este nível "deveria conduzir a uma subida em todos os ratings", acrescenta a Moody’s.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.06.2017

FOSUN IRÀ LANÇAR UMA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO AO BCP!?!?!?!?!?!?!?!?!

Como há gente que inventa disparates tao grandes....completamente fora de contexto....SEM FUNDAMENTOS.... irra!

Skizy 19.06.2017

OPA sobre a "OPA NO MILENIUM BCP", os indianos da familia de costa e zeinal bava junto com o amigo do socas vão lançar uma OPA a Fosun a 10 cêntimos o quilo!

Anónimo 19.06.2017

Mau, mas entao o Soberbo e Fantástico Costa nao tinha já vendido o Novo Banco? Queres ver...

Saber mais e Alertas
pub