Obrigações Portugal emite 1.250 milhões de euros com taxa mais negativa de sempre

Portugal emite 1.250 milhões de euros com taxa mais negativa de sempre

Num leilão duplo, Portugal colocou dívida de curto prazo com a taxa mais negativa de sempre.
A carregar o vídeo ...
Patrícia Abreu 15 de fevereiro de 2017 às 10:59

O IGCP, o instituto que gere a dívida pública portuguesa, colocou esta quarta-feira um total de 1.250 milhões de euros em dívida a três e 11 meses, com a taxa mais negativa de sempre. -0,096% na emissão a 11 meses e -0,219% a 3 meses. Portugal consegue assim renovar mínimos, depois de já ter atingido níveis inéditos numa emissão no mês passado.

Portugal emitiu 1.000 milhões de euros com maturidade em Janeiro de 2018 e 250 milhões com prazo a 19 de Maio. O Tesouro português consegue assim colocar o máximo pretendido, de 1.250 milhões de euros, com a procura a superar amplamente a oferta.

Nos últimos leilões comparáveis realizados, a 19 de Outubro, o Tesouro colocou o montante máximo pretendido - 1.250 milhões de euros - com juros negativos na maturidade mais curta (-0,012%) e juros de 0,06% no prazo a 11 meses.

Já nas últimas operações de financiamento de curto prazo realizadas - no caso, nas maturidades a 6 e 12 meses -, a 18 de Janeiro passado, Portugal conseguiu taxas historicamente negativas, aproveitando na altura as condições de mercado favoráveis.

"Portugal acompanha a curva das taxas de dívida de curto prazo que se verifica na Europa, aproveitando para emitir com taxas negativas, o que é sempre positivo para o país", realça Filipe Silva. "No caso da emissão de dívida a 3 meses,  a descida da taxa foi bastante acentuada e levou-nos para mínimos históricos -  Portugal nunca se financiou a taxa tão baixa como esta", acrescentou o director da gestão de activos do Banco Carregosa.

Ainda assim o especialista destaca que as taxas não foram uma surpresa, "uma vez que o mercado secundário tem estado com as taxas negativas para a dívida de curto prazo".

Já Tiago da Costa Cardoso refere que "apesar de ser positivo este novo 'rollover' de dívida, falamos de um valor bastante pequeno, 250 milhões de euros a três meses e mil milhões a 12 meses, algo que não traz um impacto muito grande ao bolo global do pagamento de juros de dívida". Mas, "acaba por obviamente ser positiva esta emissão, pois a expectativa de ter juros negativos mais baixos foi alcançada", explica o gestor da XTB.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Uma taxa negativa é darem-nos dinheiro por nos emprestarem dinheiro? Se sim, então porque não rolámos a divida toda?

Anónimo Há 1 semana

Como cidadão vulgar sem conhecimentos que me permita compreender na globalidade o que se está a passar gostaria de saber se é que coincide com a realidade como há investidores a colocar dinheiro c taxas inferiores a zero.O mesmo investimento em dólares ou em alguns dos emergentes não daria mais ?

Anónimo Há 1 semana

Uma noticia onde falta o essencial. E o essencial é a que taxas foi emitida a Dívida..

Nuno Proença Há 1 semana

Se calhar seria bom trocar o Titulo, pois Portugal não conseguiu a taxa MAIS NEGATIVA de sempre, Portugal conseguiu a Melhor Taxa de Sempre (valor mais baixo de sempre) que por acaso é uma taxa com valor negativo...

pub
pub
pub
pub