Obrigações Portugal paga segunda taxa mais baixa de sempre para emitir dívida a 10 anos  

Portugal paga segunda taxa mais baixa de sempre para emitir dívida a 10 anos  

O IGCP realizou esta quarta-feira um duplo leilão de dívida de longo prazo, tendo encaixado 950 milhões de euros.  
Nuno Carregueiro 11 de julho de 2018 às 10:41

O tesouro português obteve custos de financiamento mais baixos no leilão de obrigações do Tesouro realizado esta quarta-feira, onde encaixou um total de 950 milhões de euros, abaixo do máximo previsto de mil milhões de euros previstos.

 

Pelos títulos com maturidade em 17 de Outubro de 2028 (10 anos), o IGCP aceitou pagar 1,727%, o que compara com a taxa de juro de 1,919% na emissão realizada em Junho, período de turbulência no mercado devido à crise em Itália.

Este custo de financiamento foi mesmo o segundo mais baixo de sempre numa emissão a 10 anos, só superado pelo resultado do leilão de Maio, quando a taxa foi fixada em 1,67%.  

 


O IGCP colocou também títulos com maturidade em 18 de Abril de 2034, com uma taxa de 2,257%.

 

O instituto liderado por Cristina Casalinho tinha previsto emitir entre 750 e mil milhões de euros. Acabou por colocar 650 milhões de euros em títulos com maturidade em 2028 e 300 milhões nas obrigações com maturidade mais longa.

 

A descida do custo de financiamento no prazo mais curto era já expectável, uma vez que a emissão realizada em Junho aconteceu numa altura de crise política em Itália, o que levou os investidores a penalizar os títulos de dívida europeus, sobretudo da periferia. A taxa de juro acabou por ficar em linha com o registado no mercado secundário, onde a taxa a 10 anos está em redor de 1,7%.

 

Apesar de a taxa ter diminuído, a procura na emissão de títulos a 10 anos foi mais baixa, ficando em 2,02 vezes a oferta, quando em Junho o rácio foi de 2,28 vezes. Na emissão de títulos a 16 anos a procura foi mais robusta, superando em 2,79 vezes a oferta.  

Numa declaração efectuada no Parlamento esta quarta-feira, o ministro das Finanças Mário Centeno afirmou que estão já cobertas quase 80% das necessidades de financiamento do estado português para este ano.