Obrigações Standard & Poor's baixa ‘rating’ de Angola com dívida pública nos 50% do PIB

Standard & Poor's baixa ‘rating’ de Angola com dívida pública nos 50% do PIB

A agência de notação financeira Standard & Poor's desceu o 'rating' da dívida soberana de Angola de ‘B+' para ‘B' devido à descida do preço do petróleo e à dependência destas exportações, levando ao aumento do endividamento do país.
Standard & Poor's baixa ‘rating’ de Angola com dívida pública nos 50% do PIB
Lusa 13 de fevereiro de 2016 às 14:48

No comunicado com a decisão, que assume ainda uma perspetiva de evolução "estável" do 'rating', aquela agência justifica a decisão com os preços do barril de petróleo no mercado internacional "mais baixos do que o esperado" nas previsões 2016-2019.


"Adicionalmente, os empréstimos internos e externos do Estado, juntamente com uma taxa de câmbio fraca, tem elevado o peso da dívida pública e esperamos que a dívida bruta de Angola atinja os 50% do PIB [Produto Interno Bruto] este ano", lê-se no comunicado.


A Standard & Poor's justifica a perspectiva de evolução "estável" com a previsão de uma descida gradual do défice angolano, reduzindo assim os riscos ao financiamento externo, e tendo também em conta a resposta do Governo à crise, para evitar a deterioração da situação fiscal e da dívida.


"Prevemos necessidades de financiamento externo bruto de Angola de aproximadamente 31 mil milhões de dólares este ano e no próximo, das quais cerca de metade de curto prazo", aponta a Standard & Poor's.


Ainda assim, a agência avisa: "A deterioração no ambiente político ou institucional angolano pode resultar numa descida [da notação]".


No mesmo comunicado, a Standard & Poor's prevê um crescimento de 3,3% do PIB angolano em 2016.

Os analistas daquela agência notam ainda que com a entrada em produção de novos blocos, a produção de petróleo em Angola poderá atingir em 2016 os 1,9 milhões de barris por dia, dependendo da disponibilidade das operadoras para manter o nível de investimento, tendo em conta os preços atuais.


Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África subsaariana, tendo atingido os 1,8 milhões de barris por dia em 2015, mas está há mais de um ano mergulhada numa crise financeira, económica e cambial, face à redução para metade das receitas com a exportação petrolífera com a quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Manuel Vicente 27.02.2016

Essa e a verdadeira, justica pois Angola nao passa de uma grande lixeira a ceu aberto a contaminar tudo e todos, Mas o dono do BpP Anda cego ao ja anda a comer tambem as Gasosas Angolanas.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
}
pub