A carregar o vídeo ...
Caldeira Cabral elogia aposta ganha do têxtil português na inovação e qualidade
03.10.2017
O ministro da Economia destacou hoje a competitividade da indústria têxtil e vestuário portuguesa e assegurou que o Governo vai promover o seu reforço “pela inovação e qualidade”, em alternativa à “desastrosa” aposta feita no passado nos baixos custos.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 03.10.2017

Em 2013 noticiava-se que "o valor actual das exportações é semelhante ao que era em 2007, embora a crise tenha contribuído para o desaparecimento de 2.500 empresas e de milhares de trabalhadores neste período". O que estava a mais era o factor produtivo trabalho sobre-alocado por ser manifestamente desnecessário e injustificável à luz do mercado globalizado e tecnologicamente avançado da actualidade, configurando-se então, como sempre assim é na presença de tal flagelo, como uma força de pura extracção de valor do Estado, da economia e da sociedade, avesso à criação de valor. Por outro lado, o factor produtivo capital estava sub-alocado. Veio a crise, veio a troika e tudo avançou como há tanto tempo se exigia. Que sirva de exemplo para se evoluir em tantos outros sectores e áreas do público e do privado. www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas

comentários mais recentes
Anónimo 03.10.2017

Em 2013 noticiava-se que "o valor actual das exportações é semelhante ao que era em 2007, embora a crise tenha contribuído para o desaparecimento de 2.500 empresas e de milhares de trabalhadores neste período". O que estava a mais era o factor produtivo trabalho sobre-alocado por ser manifestamente desnecessário e injustificável à luz do mercado globalizado e tecnologicamente avançado da actualidade, configurando-se então, como sempre assim é na presença de tal flagelo, como uma força de pura extracção de valor do Estado, da economia e da sociedade, avesso à criação de valor. Por outro lado, o factor produtivo capital estava sub-alocado. Veio a crise, veio a troika e tudo avançou como há tanto tempo se exigia. Que sirva de exemplo para se evoluir em tantos outros sectores e áreas do público e do privado. www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas

Anónimo 03.10.2017

Em 2013 noticiava-se que "o valor actual das exportações é semelhante ao que era em 2007, embora a crise tenha contribuído para o desaparecimento de 2.500 empresas e de milhares de trabalhadores neste período". O que estava a mais era o factor trabalho sobre-alocado por ser manifestamente injustificável à luz do mercado globalizado e tecnologicamente avançado da actualidade, configurando-se então, como sempre assim é na presença de tal flagelo, como uma força de pura extracção de valor do Estado, da economia e da sociedade, avesso à criação de valor. Por outro lado, o factor capital estava sub-alocado. Veio a crise, veio a troika e tudo avançou como há tanto tempo se exigia. Que sirva de exemplo para se evoluir em tantos outros sectores e áreas do público e do privado." www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas" www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas