A carregar o vídeo ...
Greve na Função Pública vai afectar escolas, saúde e cultura
24.05.2017
A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou hoje a dirigente sindical, Ana Avoila.


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 24.05.2017

As esquerdas sindicais que vêem no factor trabalho um fim em si mesmo e no sindicato o clube que fanaticamente apoiam quais tiffosi inebriados pelo keynesianismo desmiolado e o marxismo anti-capital, como se houvesse alguma distinção entre os factores produtivos a não ser aquela que advém do valor que a sua combinação consegue gerar com base na mais economicamente racional alocação dos mesmos, têm que perceber que a crise económico-social de equidade e sustentabilidade que se vive é acima de tudo culpa sua porque é com base nas profundas distorções de mercado que fomentam que outras distorções de mercado obtêm as condições para surgir e proliferar.

comentários mais recentes
Anónimo 25.05.2017

Dívida e excedentarismo são duas faces da mesma má moeda. É preciso expulsá-la dos nossos Estados, economias e sociedades para pôr termo à grave crise de equidade e sustentabilidade que flagela a Eurozona e atrasa o processo de integração europeu.

Anónimo 24.05.2017

A classe média é para acabar. A classe média assalariada ou pensionista ex-assalariada, dos grandes e irrevogáveis direitos adquiridos quer seja no brilhantismo com enorme procura de mercado quer seja na mediocridade sem procura alguma ainda que a enorme oferta se arrebanhe em bando sindical ruidoso animado por um insolente falso senso de auto-elegibilidade, está condenada à extinção porque é tudo aquilo que se opõe à criação sustentável de valor no mundo contemporâneo, funcionando como um oneroso e pernicioso entrave ao avanço civilizacional. O mundo só tem lugar para duas classes: a dos criadores de valor, vulgo classe alta, e a dos legítimos capturadores de valor, vulgo classe baixa, que tem tudo a ganhar com isso. A classe média, tomada maioritariamente pelos que se dedicam à mais puramente ignóbil extracção de valor não tem mais lugar nas sociedades e economias do mundo desenvolvido e está já a viver o seu irreversível ocaso, facto que os mais recentes dados estatísticos atestam.

Anónimo 24.05.2017

Em Detroit, Vallejo e outros municípios dos EUA a falência originou cortes nas pensões de reforma e despedimentos de excedentários... Em Porto Rico vai pelo mesmo caminho. Grécia e Portugal são os senhores (drs) que se seguem. A verdade vem sempre ao de cima. Não vale a pena tentar tapar o sol com uma peneira. Resta saber por mais quanto tempo os agentes económicos sérios, honrados e inocentes irão continuar a ser extorquidos e pilhados pela casta dos prevaricadores.

Anónimo 24.05.2017

Mas quando o trabalhador nem pode ser despedido por o posto de trabalho já não se justificar nem substituído por uma máquina, nem ver o seu salário, já inflacionado ao longo de toda uma carreira de progressões automáticas constantes, reduzido para valor mais próximo do preço de mercado uma vez que há uma fila de candidatos àquele emprego, mais dinâmicos, motivados e preparados, que trabalhariam de bom grado por metade da remuneração, a população que investiu na organização ou tem trabalho para oferecer perde rendimentos. A população que consome produtos da organização perde rendimentos. A população que paga impostos para a organização, no caso daquela ser do sector público, fornecedora do sector público ou subsidiada pelo Estado, perde rendimentos. A população que inventou e desenvolveu a máquina perde rendimentos. A população que poderia inovar, investir e lançar no mercado máquinas ainda melhores, perde rendimentos.

ver mais comentários