A carregar o vídeo ...
"Não há fundamento económico para continuar neste processo de sangria" de trabalhadores da banca
18.06.2017
A actividade operacional da banca está a voltar a ser rentável e, por isso, não há motivos para continuar a redução de estrutura de pessoal no sector bancário, considera Paulo Marcos, líder do Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.06.2017

Oh ANÓNIMO DOS ESCEDENTÁRIOS
Certeza absoluta em como não és empregado de ninguém. Só isso explica essa senha desmedida pelo despedimento de todo o mundo.
Excedentário és tu.
Tu e os teus comentários é que são excedentários.

Anónimo 18.06.2017

Numa das suas mais recentes rondas de despedimento de colaboradores excedentários, o Deutsche Bank em reestruturação decidiu fechar 200 agências só na Alemanha e despedir também naquele país 4000 excedentários. A nível internacional os números do encerramento de agências e do despedimento de colaboradores excedentários foram ainda mais elevados, obviamente - 35 mil postos de trabalho cortados em 2 anos, entre 2015 e 2017. ("The bank will close 200 branches in Germany -- with the loss of 4,000 jobs" http://money.cnn.com/2015/10/29/investing/deutsche-bank-job-losses/).

Anónimo 18.06.2017

O Jornal de Negócios, enquanto órgão de informação económica com notabilidade a nível nacional, que insista na pedagogia e no esclarecimento cabal em relação ás inevitáveis transformações urgentes que se impõem nas economias mais avançadas, às quais a portuguesa, por mais capturada e mal orientada que se afigure, não estará imune se quiser permanecer no chamado Primeiro Mundo. Na Holanda as organizações não dão guarida ao excedentarismo sindicalizado de carreira que atrasa o mais económico e eficiente progresso tecnológico, obstaculiza a justiça social, impede a sustentabilidade do Estado e enfraquece a economia por via do entorpecimento do empreendedorismo, do investimento reprodutivo e da capacidade de inovação. "Fewer people and more technology – that is the plan just announced by ING. The largest financial services company in the Netherlands is getting rid of 7,000 positions." http://www.euronews.com/2016/10/03/netherlands-bank-ing-to-cut-7000-jobs-in-digital-quest

Anónimo 18.06.2017

Tem que se perceber que haverá sempre gente a clamar pelo direito a um rendimento social como o RSI, da mesma forma que haverá sempre gente a clamar pelo direito a um rendimento social como um salário de excedentário na função pública com benefícios, bónus e progressões automáticas; a um rendimento social como umas rendas energéticas de muitos milhões ou a um rendimento social como um resgate ininterrupto ao seu posto de trabalho num banco de retalho falido que o mercado já não quer nem precisa.

ver mais comentários