A carregar o vídeo ...
Miguel Albuquerque: Governo não está a resolver as "questões cruciais" para a Madeira
20.03.2017
Presidente do Governo Regional diz ter boas relações com António Costa e com outros ministros, mas que as questões cruciais estão por resolver. Verbas da Segurança Social são exemplo do que está por resolver, defende.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Por outras palavras... o governo central FINALMENTE deixou de vos pagar os carnavais todos os meses... a Madeira tem de se fazer à vida e deixar de fugir tantos impostos... com o turismo chega e sobra para manter esse istmo...

suiriri Há 1 semana

A Cultura tem a ver com o desenvolvimento intelectual dos cidadãos e instituições que levam a um conjunto de padrões nos comportamentos morais e de outros valores característicos de uma sociedade civilizada. Posto isto, numa sociedade com os meios da comunicação social com tempo exagerado na divulgação do espectáculo futebol não se estranha que à falta de preocupações culturais muita gente defenda dar o nome a um aeroporto a quem faz parte desse espectáculo, embora com êxito e relevo,. O mesmo se pode dizer quanto a entrada para o Panteão de um outro jogador, também celebre, que em nada contribuiu para o desenvolvimento do País.....

Mudou a boska, mas as moscas são as mesmas Há 1 semana

para tomar decisões de mudar o nome ao aeroporto do Funchal e outras, ele é que manda e acha não ter a gentileza institucional de ouvir o parecer do governo central. Quando toca a mendigar ajuda (leia-se sacar) ele exige resolução do assunto, sem prestar contas anteriores e sem justificação prévia