Gestão de Frotas 2017 Nissan de olho nas frotas

Nissan de olho nas frotas

Os veículos eléctricos são um dos trunfos da marca para cativar a atenção das empresas e levá-las a repensar a factura energética que pagam actualmente.
Nissan de olho nas frotas

O mercado de frotas e empresas tem estado a crescer nos últimos anos e continua com um elevado potencial de crescimento. As empresas, de um modo geral, estão novamente a investir nos seus negócios e na renovação das suas frotas. Neste sentido, a Nissan quer aproveitar este bom momento para expandir as suas vendas nas empresas.

"Temos vindo a crescer de forma sustentada nas vendas a empresas desde 2014 e, no ano passado, o nosso crescimento situou-se acima dos 25% neste canal de negócio", sustenta Pedro Teles, responsável de Frotas da Nissan Ibéria SA – Portugal.

 

Atento às evoluções do mercado, Pedro Teles admite que o sector das frotas está a moldar-se a um novo cenário de mobilidade que tem como principais catalisadores os veículos eléctricos. Os incentivos governamentais para compra de carros eléctricos. têm contribuído consideravelmente para as empresas optarem por este tipo de viaturas. Além disso, o incentivo actual do Governo para aquisição de veículos elétricos aplicável às primeiras 1.000 unidades, assim como o não pagamento de parqueamento em cidades como Lisboa, representa um atractivo adicional elevado junto dos clientes.

 

"As empresas que têm uma responsabilidade social e um compromisso ambiental elevado são as grandes clientes dos nossos modelos eléctricos. Temos cada vez mais empresas que, ao renovar as suas frotas, procuram este tipo de veículos", destaca Pedro Teles.

 

A Nissan é de resto uma dos fabricantes de automóveis que mais aposta na mobilidade eléctrica. O LEAF é a estrela da companhia nesta área. Actualmente, o responsável de Frotas da Nissan Ibéria assume que cerca de 60% das vendas do Nissan LEAF têm como origem vendas a empresas.

 

"Desde que lançámos o Nissan LEAF com uma autonomia de 250 km sentimos um crescimento expressivo junto das empresas", sustenta o responsável. No mercado de passageiros, a Nissan vendeu 328 Nissan LEAF e, no mercado de comerciais ligeiros, vendeu 30 Nissan e-NV200.

 

Em 2017, Pedro Teles quer um aumento das vendas neste segmento, sendo esperado um crescimento das vendas nos canais de frotas em cerca de 10%. Segundo o responsável, "este ano irá haver novidades muito interessantes a nível de produto e serviços que nos irão ajudar a consolidar a nossa presença no mercado de frotas e empresas, e a melhorar os nossos resultados".

 

Para as empresas que estão a pensar definir as suas frotas, tendo por base veículos eléctricos ou híbridos, Pedro Teles sublinha que é importante as empresas fazerem bem as contas relativamente aos benefícios dos veículos eléctricos, já que – além dos muito baixos custos de utilização e dos incentivos – existe uma série de benefícios fiscais que, hoje em dia, os tornam muito competitivos face aos veículos com motores de combustão. "Para se ter uma ideia, a manutenção dos veículos eléctricos é aproximadamente 70% mais económica do que num veículo de combustão interna equivalente. Por outro lado, o custo da ‘energia’ por cada 100 km de um veículo diesel vs. um eléctrico é aproximadamente cinco vezes superior", esclarece o especialista.

 

Questionado se a instabilidade económica vivida nos últimos anos terá influenciado a procura pelas viaturas eléctricas, como uma via de obter maior eficiência nas frotas e na sua gestão, Pedro Teles considera que esse cenário poderá ter tido uma influência positiva no crescimento do mercado, uma vez que as empresas foram impelidas a "repensarem as suas estratégias e a considerarem outro tipo de solução de mobilidade para as suas frotas".


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub