PME 2017 PME têm registado taxas de crescimento superiores à média das empresas em geral

PME têm registado taxas de crescimento superiores à média das empresas em geral

Produção, volume de negócios, investimento, produtividade ou valor acrescentado bruto com nota positiva. Não obstante, existem fragilidades.
PME têm registado taxas de crescimento superiores à média das empresas em geral

Jorge Marques dos Santos, presidente do conselho directivo do IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, refere na sua análise ao estado das PME nacionais que a recuperação da economia portuguesa tem sido em muito protagonizada pelas PME, que retomaram o seu crescimento em 2014. "Na verdade verifica-se que inclusivamente têm registado taxas de crescimento superiores à média das empresas em geral, ao nível de indicadores fundamentais como a produção, o volume de negócios, o investimento, a produtividade ou o Valor Acrescentado Bruto (VAB). Destaque, por exemplo, para o investimento realizado pelas PME, que teve um incremento da ordem dos 16%, quer em 2014 quer em 2015", explica o responsável do IAPMEI.

 

Ainda assim e, apesar deste desempenho, persistem "algumas fragilidades" que tendem a condicionar desempenhos mais expressivos. "São bem conhecidas e, amplamente debatidas, as fragilidades que se manifestam, por exemplo, ao nível da função financeira, da gestão do seu posicionamento na cadeia de valor, da exploração da informação e do conhecimento e ao nível dos modelos de gestão."

 

O presidente do conselho directivo do IAPMEI acrescenta que não se pode deixar de referir uma circunstância adicional que importa considerar. Em Portugal, as PME são, em regra, mais pequenas do que as suas congéneres europeias. "Na verdade, as nossas micro, pequenas e médias empresas, do sector não financeiro, têm em média um número de trabalhadores pouco superior a três." Acresce recordar que, em Portugal, o tecido económico é predominantemente "dominado por microempresas sendo que nestas o número médio de trabalhadores é inferior a 1,5".

 

As preocupações das PME

 

Em linha com a questão da dimensão abordada anteriormente surgem as questões que mais directamente decorrem dessa circunstância, nomeadamente as associadas à capacidade de financiamento, ao potencial de crescimento e à sua capacidade competitiva. "Ainda assim", prossegue Jorge Marques dos Santos, "as PME mais atentas e ambiciosas tendem a valorizar as questões associadas à gestão financeira e à gestão estratégica". "Mas também priorizam as apostas na diversificação e flexibilização de produtos, serviços e processos, na diferenciação ao nível do design, na identificação e apropriação das vantagens decorrentes da transição para uma economia mais digitalizada, no desenvolvimento colaborativo e na procura de apoios e parceiros externos para ultrapassar as suas restrições endógenas."




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
janaina macedo calvo 19.05.2017

Queridos!
Recentemente ouvimos falar que o Banco Central irá baixar a taxa de juros Selic, ouvimos também que os juros do crédito rotativo nos cartões irão diminuir em 50% com as novas regras. Mas afinal, o que são juros? Vejam artigo no blog Café&Finanças http://cafeefinancas.blogspot.com.br

pub