PME 2017 Sucesso assenta numa estratégia ambiciosa, consistente e determinada

Sucesso assenta numa estratégia ambiciosa, consistente e determinada

Praticamente todos os sectores de actividade estão a contribuir para o desempenho positivo das PME.
Sucesso assenta numa estratégia ambiciosa, consistente e determinada

"Definir as melhores estratégias de aproximação e sustentação dos mercados, que permitam crescer e criar mais valor." Esta é o conselho que Jorge Marques dos Santos, presidente do conselho directivo do IAPMEI, deixa às PME portuguesas – ou quaisquer outras – que queiram crescer e tornar-se mais competitivas. O responsável do IAPMEI afirma que cada vez mais as empresas de sucesso reconhecem que este decorre de uma "estratégia ambiciosa, consistente e determinada", mas também de um sistemático "foco no cliente e no mercado e da sua capacidade de diferenciação".

 

Questionado sobre quais os sectores de actividade que mais estão a contribuir para o desempenho positivo das PME, responde que este comportamento se tem feito sentir em praticamente todos os sectores de actividade.

 

"Se olharmos para o volume de negócios, em que o crescimento médio nacional foi de 2,7%, encontramos nas PME acréscimos mais acentuados em vários sectores, superiores a 4% nas actividades de consultoria, científicas, técnicas e similares, a 5% na educação, a 6% nas actividades de saúde humana e apoio social e da ordem dos 8% nas actividades imobiliárias e nos serviços administrativos e de apoio às empresas." E prossegue: "Mais uma vez importa salientar o investimento, com as PME dos sectores do comércio a investirem mais 17%; as das indústrias transformadoras, 23%; e dos serviços de apoio às empresas, 35%, entre outras."

 

Exportações

 

Sobre o peso das PME nacionais nas exportações é, naturalmente, enorme. Cerca de 99% das operações de exportação portuguesas são efectuadas por PME, sendo que o valor médio de cada operação de exportação das PME "é de 591,5 mil euros". Isto significa que "cerca de 56% dos valores exportados são da responsabilidade de PME". Segundo Jorge Marques dos Santos, estima-se que "as PME exportadoras representem 6% das PME nacionais e que o emprego por estas gerado seja de cerca de 20% do total do emprego nas PME". A sua importância ao nível do volume de negócios e de VAB total das PME será ainda superior, "representado cerca de 27%".

 

Nota ainda para as PME nacionaisque estão a investir em inovação e tecnologia e que, por isso, "têm beneficiado do aumento de competitividade, reforçando o seu posicionamento no mercado global". Um bom exemplo são as start-ups, as quais têm contribuído para a "dinamização" da economia.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub