É Para Exportar Vinho em cinco continentes

Vinho em cinco continentes

A José Maria da Fonseca é um império vinícola nacional com mais de 650 hectares de vinha distribuídos pela península de Setúbal, Alentejo e Douro. As 40 marcas de vinhos de mesa e generosos incluem casos de grande popularidade internacional como o Periquita, José de Sousa e Lancers.
Vinho em cinco continentes

A José Maria da Fonseca é um império vinícola nacional com mais de 650 hectares de vinha distribuídos pela península de Setúbal, Alentejo e Douro. As 40 marcas de vinhos de mesa e generosos incluem casos de grande popularidade internacional como o ‘Periquita’, ‘José de Sousa’ e ‘Lancers’.
O ‘Periquita’ foi a primeira marca de vinho tinto em Portugal criada em 1850 pelo fundador e visionário José Maria da Fonseca. A entrada nos mercados assenta numa oferta inovadora desde a fundação. Ainda hoje o ‘Periquita’ é o vinho europeu mais vendido no Brasil e uma das cinco marcas mais conhecidas pelos brasileiros. As exportações começaram ainda no século XIX para países como o Brasil, Estados Unidos, Rússia e Singapura.


Outra marca de grande sucesso nos mercados internacionais foi o ‘Lancers’: um dos primeiros vinhos rosés portugueses ligeiramente gaseificado, com algum nível de doçura e numa garrafa especial e única, características que tornaram o ‘Lancers’ num ‘case-study’ analisado em escolas de negócio internacionais.
Ao longo dos anos outros vinhos foram criados e lançados nos mercados externos como o vinho verde ‘Twin Vines’ totalmente adaptado ao gosto do consumidor norte-americano. Enquanto a América do Norte é um grande mercado de vinhos verdes, a Europa é um mercado mais forte em vinhos tintos. Assim como, em África e na Ásia não existe o hábito de beber vinho branco. A China, um mercado onde as vendas da José Maria da Fonseca estão a crescer a 300% ao ano, considera que o vinho é tinto além de ser um símbolo de riqueza.

 

Os chineses dão muito valor ao modo de acondicionamento e de apresentação do vinho. O uso da rolha é fundamental e faz parte do ritual de abrir um garrafa de vinho. Pelo oposto, no Norte da Europa, na América do Norte e na Austrália, tanto a cápsula de rosca como as embalagens recicláveis são bem aceites mesmo em vinhos topos de gama. A José Maria da Fonseca exporta 80% do que produz para 70 países nos cinco continentes.

 

Crescer exportações 10% ao ano

Em 2017 o objetivo da José Maria da Fonseca é aumentar as vendas internacionais em mais de 10%. A exportação foi e continua a ser a grande aposta da empresa. Num mundo em que os consumidores viajam cada vez mais, as marcas de vinho são cada vez mais globais. Por isso, o objectivo a longo prazo é globalizar as várias marcas. A José Maria da Fonseca é uma empresa 100% familiar gerida pela 6ª e 7ª geração da família Soares Franco. O sucesso geracional deve-se ao empenho e dedicação daqueles que trabalham na gestão e à família que se mantém sempre unida.



Perguntas a… António Maria Soares Franco, administrador

"Criamos o primeiro vinho sem álcool português"

Qual a inovação mais recente?
Criamos o primeiro vinho sem álcool português. Investimos numa máquina específica e desenvolvemos ‘know-how’ próprio: um processo físico que destila o vinho a baixa temperatura e a vácuo, retirando o álcool mas mantendo o sabor do vinho.    

Qual a importância da tecnologia neste negócio?
Para acompanhar as várias aquisições de hectares de vinha, a José Maria da Fonseca investiu 15 milhões de euros num centro de vinificação. Cerca de 95% do valor foi investido em tecnologia de ponta que permite vinificar um grande volume, 6,5 milhões de litros por ano, com uma qualidade consistente.  

Quais as distinções internacionais?
Vários vinhos já foram distinguidos nas principais revistas norte-americanas e por Robert Parker o maior crítico de vinhos internacional. O ‘José de Sousa’ foi considerado o nº 5 do top 100 da Wine Enthusiast, o ‘Hexagon’ de 2009 e os moscatéis de Setúbal de 2010 e de 1947 conquistaram 94, 99 e 100 pontos, respetivamente, de Robert Parker.    

Quais as vantagens do Enoturismo?
É uma forma de promover os nossos vinhos, recebemos mais de 36 mil visitantes de várias nacionalidades e faturamos meio milhão de euros por ano.


BI da empresa

Nome e fundação: José Maria da Fonseca, 1834
Local: Vila Nogueira de Azeitão
Produto: vinhos
Vendas (2016): 19,3 milhões €
N.º trabalhadores: 202
Exportação: 80% vendas
Principais mercados: Suécia, Brasil e Canadá