Empresas Gazela 2018 Rejuvenescer o tecido empresarial da região Centro

Rejuvenescer o tecido empresarial da região Centro

Novas empresas com capacidade de crescimento, emprego qualificado e com o mercado internacional no horizonte. Este é o retrato das empresas gazela.
Rejuvenescer o tecido empresarial da região Centro

A região centro representa 31% do território nacional. Possui uma posição geográfica invejável. Conta com uma rede de cidades e infra-estruturas que suportam diversos sectores de actividade e proporcionam elevados níveis de qualidade de vida aos cidadãos. Apesar desta realidade, a dicotomia entre o litoral e o interior da região faz-se sentir ainda com fortes assimetrias territoriais. Uma das soluções para minorar esta realidade é a criação de medidas e estímulos ao empreendedorismo. O aparecimento de novas empresas melhora a coesão social, fixa a população, cria riqueza para a economia regional e fortalece a conectividade entre municípios.

 

 

Conhecedora da importância da criação de novas empresas, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) apura há seis anos a existência de empresas gazela na região centro. Na edição deste ano, foram identificadas 82. Trata-se de organizações jovens – de idade igual ou inferior a cinco anos no início do período de observação – e contam com elevados ritmos de crescimento, sustentados ao longo do tempo. São empresas inovadoras, que se posicionam de forma diferenciadora no mercado. Correspondem a uma pequena percentagem do universo empresarial, mas possuem um grande valor devido ao potencial de crescimento (acima de 20% ao ano) e à geração de postos de trabalho, geralmente qualificado.

 

 

Elegibilidade

 

 

Para ser uma empresa gazela elegível precisa de ter nascido a partir de 2008 e ter a sua sede na região centro. Deve empregar um mínimo de 10 colaboradores em 2016, apresentar crescimentos do volume de negócios superiores a 20% ao ano em 2014, 2015 e 2016. Por último, precisa de ter uma facturação igual ou superior a 500 mil euros em 2016.

 

Foi com base nestes critérios que se identificou um conjunto de empresas que correspondem ao perfil referido. No total, foram 82 empresas. Em termos comparativos, o número de empresas gazela identificadas na região centro diminuiu ligeiramente (-5,7%) face ao ano de 2016, passando de 87 para 82 empresas.

 

 

Distribuição geográfica semelhante à do tecido empresarial da região centro

 

 

Em termos de distribuição geográfica, estão bastante disseminadas pelo território, repartindo-se por 39 municípios da região centro, sendo os concelhos de Coimbra e Torres Vedras os que têm um maior número, com sete empresas gazela cada, seguidos pelo município de Viseu com seis, e da Marinha Grande com quatro. Com três empresas gazela, encontram-se os municípios de Águeda, Castelo Branco, Leiria, Mangualde, Ovar e Torres Novas.

 

Uma análise ao estudo feito pela CCDRC mostra que 56% das empresas gazela apuradas foram constituídas nos anos de 2011 (17%), 2012 (13%) e 2013 (26%) e apenas sete empresas (9% do total) foram constituídas no ano de 2010. O estudo constata que 87% das empresas gazela de 2017 são micro ou pequenas empresas e 81% foram constituídas sob a forma jurídica de sociedades por quotas.

Do total de empresas gazela distinguidas, só 24 acumulam a distinção nas edições de 2016 e 2017. Deste restrito universo, há quatro empresas que acumulam a distinção há três anos consecutivos. São a Olano – Logística de Frio, Lda.; Runningball – Informação Desportiva Unipessoal, Lda.; Carbono 21, Lda. e Tribosaicos – Unipessoal, Lda.